Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In

Biotecnologia

:

Roundup Ready Milho 2™

Registre-se para receber informativos DuPont Pioneer!

Roundup Ready Milho 2™

Milho Roundup Ready 2
A chegada da tecnologia Roundup Ready milho representa mais um passo nas possibilidades de controle das plantas daninhas que competem com o cultivo do milho.

Os novos híbridos Roundup Ready 2 (evento NK 603) toleram aplicações pós-emergentes do herbicida registrado para este uso*, que contenha como ingrediente ativo o glifosato, sem nenhuma redução no rendimento potencial do híbrido.
 
Como atua a tecnologia Roundup Ready 2?
A tecnologia Roundup Ready 2 no milho, assim como na soja, permite que a cultura continue seu desenvolvimento devido à ação contínua da enzima CP4 EPSPS, mesmo após a aplicação do herbicida registrado para aplicação em pós-emergência no milho, que possui como ingrediente ativo o glifosato.

O glifosato é um herbicida não seletivo, que controla folhas largas e gramíneas através da inibição da enzima EPSPS. Esta enzima catalisa (acelera) um passo fundamental na rota do ácido schiquímico, na biossíntese de aminoácidos aromáticos, em plantas e microorganismos. A inibição desta enzima pelo glifosato causa uma deficiência no crescimento das plantas, causando a sua morte.
 
 
 
A proteína CP4 EPSPS (proveniente de Agrobacterium sp., cepa CP4) tem baixa afinidade pelo glifosato em comparação com outras enzimas EPSPS. Assim, quando se trata as plantas de milho Roundup Ready 2 com herbicidas à base de glifosato, estas continuam crescendo graças à ação contínua da enzima CP4 EPSPS tolerante, que proporciona à planta os aminoácidos aromáticos necessários para continuar o seu desenvolvimento.
 
 
 
Os animais não apresentam esta biossíntese de aminoácidos aromáticos, o que explica a ação seletiva do glifosato sobre as plantas e sua baixa toxicidade para mamíferos.

O milho Roundup Ready 2, evento NK603, foi obtido mediante a introdução de duas cópias do gene cp4 epsps no genoma do milho. Este gene, que deriva da cepa CP4 da bactéria comum Agrobacterium sp., codifica de forma natural a proteína EPSPS, tolerante ao herbicida glifosato.

O uso do herbicida à base de glifosato sobre as plantas de milho que contêm o gene cp4 epsps (RR) permite ao agricultor controlar com grande eficácia as plantas daninhas.
 
Incidência da competição de plantas daninhas no rendimento do milho
O controle de plantas daninhas na cultura do milho é muito importante principalmente no período que vai de antes da semeadura até as primeiras etapas do ciclo de desenvolvimento da cultura, já que esta cultura apresenta baixa capacidade de competição inicial, o que pode acarretar perdas de produtividade futuras.

O efeito das plantas daninhas sobre o rendimento do milho pode variar segundo a competitividade de cada espécie, a pressão de plantas daninhas na área, as condições ambientais e o tempo durante o qual se mantenha a competição. Nos casos em que a ocorrência de um ou vários destes fatores determinem uma situação de alta pressão de competição sobre o cultivo, se demonstrou que, efetivamente, as plantas daninhas podem determinar perdas significativas no rendimento do milho.
 
Potencial de rendimento dos híbridos Roundup Ready 2
Híbrido Roundup Ready 2 x Híbrido convencional - sem a presença de plantas daninhas
De acordo com o princípio da equivalência substancial que determina que o produto geneticamente modificado deve possuir as mesmas características do produto convencional, com exceção apenas do gene e das características que este confere, no caso de plantio do milho Roundup Ready 2 em áreas sem a presença de plantas daninhas, a presença do gene, por si só, não tem nenhum efeito sobre o potencial de rendimento final. O gene Roundup Ready 2 também não modifica nem afeta nenhuma característica morfológica ou fisiológica dos híbridos em que foi inserido.

Nota: A presença do gene Roundup Ready 2 confere tolerância às aplicações pós-emergentes do herbicida que contenha o glifosato como ingrediente ativo e que seja registrado para aplicação em pós-emergência na cultura do milho. O gene Roundup Ready 2 não implica em nenhum aumento da tolerância a outros herbicidas convencionais que puderem ser aplicados no milho.
 
Híbridos marca Pioneer® com o gene Roundup Ready 2
A DuPont Pioneer possui híbridos com a tecnologia Roundup Ready 2 registrados, para a comercialização e plantio. A tecnologia de tolerância a herbicidas no milho surge como mais uma opção para os produtores brasileiros. No futuro, assim como já ocorre em outros países, estarão disponíveis também no Brasil, híbridos com tolerância a herbicidas e proteção contra insetos na mesma planta, o que irá complementar ainda mais o portfólio de híbridos da empresa, assim como aumentar as opções de plantio para o produtor brasileiro. 
  
Para o plantio do milho Roundup Ready 2, o produtor deverá ter alguns cuidados:
 
1.Ainda não existe até a data desta publicação, nenhum herbicida a base de glifosato registrado no Brasil para a aplicação na pós-emergência do milho. Assim, produtores que optarem pelo plantio do milho Roundup Ready 2 não poderiam, neste primeiro momento, usufruir do benefício da tecnologia.
 
2. Para os produtores que já plantam a soja Roundup Ready, o manejo da tiguera, ou plantas guachas de milho Roundup Ready 2 na cultura da soja, deverá ser feito de forma diferente, uma vez que estas plantas também poderão ter a característica de tolerância ao herbicida. Nestes casos, o plantio direto pode ajudar, uma vez que o acúmulo de palhada no solo pode reduzir a germinação dos grãos de milho que caem no solo durante a colheita. Além disso, a colheita do milho no momento ideal diminui a quantidade de espigas e grãos caídos no solo.
 
Para o controle destas plantas voluntárias, o produtor deverá utilizar herbicidas que contenham outro princípio ativo, que não o glifosato, seletivos para a cultura da soja, e que possuam atividade no controle de gramíneas.
 
3. Outra preocupação que o produtor deve ter é com o manejo de resistência de plantas daninhas. A aplicação continuada de um mesmo princípio ativo durante vários anos, aumenta o potencial de surgimento de resistência. Já foram identificados biótipos de plantas daninhas resistentes ao glifosato em vários países, inclusive no Brasil, com a comprovação da resistência de Conyza bonariensis e Lolium multiflorum. Assim, ainda que o produtor brasileiro opte pelo cultivo do milho Roundup Ready 2, recomenda-se que sejam utilizados também herbicidas de modos de ação diferentes no controle das plantas daninhas para evitar-se o aparecimento de espécies resistentes.
 
4. Segundo a resolução normativa nº 4, de 16 de agosto de 2007, o plantio do milho com o gene Roundup Ready deverá obedecer algumas distâncias mínimas visando a coexistência dos híbridos convencionais e geneticamente modificados. Esta norma de coexistência visa a proteção do direito do produtor da lavoura vizinha de plantar milho convencional.
 
Desta forma, o plantio de híbridos com o gene Roundup Ready deve obedecer a distância mínima de 100 metros de distância da lavoura de milho convencional, ou a distância alternativa de 20 metros, com o plantio de uma bordadura de no mínimo 10 fileiras de plantas de milho convencional de porte e ciclo vegetativo similar ao milho geneticamente modificado. Os híbridos plantados na área de coexistência não poderão ser geneticamente modificados.
 
* só utilizar herbicidas registrados.

Como mais uma forma de auxíliar o produtor, a DuPont Pioneer disponibiliza o Guia de Uso de Produtos, onde detalha os pontos que devem ser cuidadosamente observados antes do plantio de lavouras com híbridos transgênicos.