Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In

Biotecnologia

:

Tolerante ao Glifosato

Registre-se para receber informativos DuPont Pioneer!

Tolerante ao Glifosato

O que é e como foi obtido o gene tolerante ao Glifosato 
O gene tolerante ao Glisfosato, também conhecido como cp4-epsps, é o gene que confere às plantas a tolerância à aplicação, em pós-emergência, de herbicidas à base da molécula de glifosato, que foi desenvolvido e registrado pela Monsanto Company, nos Estados Unidos, durante os anos 90. Esse gene foi isolado de uma bactéria chamada Agrobacterium spp encontrada em um tanque de efluentes em uma fábrica de produção do glifosato. A introdução do gene cp4-epsps nas plantas de soja se deu pelo processo de biobalística, onde segmentos de DNA dessa bactéria foram introduzidos nas células vegetais.


Como o gene tolerante ao Glifosato age na planta
A molécula de glifosato age na planta através do bloqueio da enzima 5-enolpiruvato- shiquimato-3-fosfato sintase (EPSPS), que faz parte da via de biossíntese de aminoácidos aromáticos essenciais para o desenvolvimento da planta. Quando essa enzima é bloqueada, a via metabólica é interrompida e, pela falta de aminoácidos, a planta morre. No caso da cp4-epsps, o glifosato não consegue bloqueá-la e, assim, a via metabólica não é interrompida e as plantas se desenvolvem normalmente.

No Brasil, a aprovação de uso e consumo da soja contendo o gene tolerante ao Glifosato foi dada pela CTNBio, em 1998, mas uma medida judicial suspendeu essa aprovação até 2003, quando uma medida provisória (MP) autorizou o plantio. A nova lei de biossegurança sancionada em 2005 confirmou a decisão da CTNBio dada em 1998 e, hoje, não há empecilho legal para a utilização dessa tecnologia no Brasil.

Além da soja contendo o gene tolerante ao Glifosato, essa mesma tecnologia foi desenvolvida e é utilizada fora do Brasil em culturas como algodão, canola, milho e alfafa tolerante ao Glifosato.

É importante lembrar que para o uso correto dessa tecnologia, ou seja, aplicar a molécula de glifosato em pós-emergência da soja contendo o gene tolerante ao Glifosato, o produtor deve utilizar herbicidas registrados no Ministério da Agricultura e do Abastecimento (MAPA), para essa modalidade de uso.


Benefícios da soja com o gene tolerante ao Glifosato
Inúmeros são os benefícios diretos e indiretos proporcionados pelo uso da soja contendo o gene tolerante ao Glifosato. Dentre os principais benefícios pode-se listá-los ou classificá-los em:
- Redução dos custos no controle de plantas daninhas
- Maior flexibilidade no controle de plantas daninhas
- Maior segurança para a cultura e para o meio ambiente
- Auxilia no planejamento da propriedade
- Simplicidade na aplicação
- Maior seletividade para a soja e menores riscos de fitotoxidez


Manejo das lavouras de soja com o gene tolerante ao Glifosato
Para que o produtor obtenha benefícios com o plantio da soja com o gene tolerante ao Glifosato é importante que sejam conhecidos alguns detalhes técnicos com relação à aplicação do herbicida à base de glifosato registrado para uso em pós-emergência da soja com o gene tolerante ao Glifosato.

O herbicida tolerante ao Glifosato é um herbicida de amplo espectro, não seletivo e de ação sistêmica. Fabricado na formulação de concentrado solúvel, cada litro do herbicida tolerante ao Glifosato corresponde a 680g do sal de isopropilamina ou 480g do equivalente ácido de glifosato.

  
Manejo da aplicação do herbicida tolerante ao Glifosato
O herbicida tolerante ao Glifosato deve ser aplicado somente na pós-emergência nas culturas de soja com o gene tolerante ao Glifosato e sobre as plantas daninhas a serem controladas já germinadas, quando elas estiverem em boas condições de desenvolvimento e sem efeito de estresse hídrico. Ele poderá ser usado em aplicação única ou sequencial.
 
Aplicação única: No caso de aplicação única, recomenda-se que sejam respeitados os estágios de desenvolvimentos das plantas daninhas a serem controladas. Na média, a melhor época para o controle das plantas daninhas em pós-emergência ocorre entre o período de 20 a 30 dias após a emergência da soja, quando as plantas daninhas ainda se encontram em estágios iniciais de desenvolvimento e, portanto, mais sensíveis à molécula do glifosato.
 
Aplicação sequencial: Em áreas com alta infestação de plantas daninhas, ou germinação desuniforme das mesmas recomenda-se realizar uma aplicação seqüencial em duas oportunidades. A primeira aplicação, na dose de 1,5 l/ha do produto comercial, deve ser realizada até 20 dias após a emergência da soja. A segunda aplicação, na dose de 1,0 l/ha do produto comercial, deve ser feita com um intervalo de 15 a 20 dias da primeira aplicação, observando-se sempre os menores intervalos.
 
Informações técnicas complementares: Para obter maior eficiência com o plantio da soja com o gene tolerante ao Glifosato por meio do herbicida tolerante ao Glifosato é importante que sejam conhecidos e observados alguns aspectos técnicos sobre o intervalo de segurança, limitações de uso e outros aspectos.
 
Intervalo de segurança: O intervalo de segurança (período compreendido entre a aplicação do produto e a colheita) para a cultura da soja geneticamente modificada com o gene tolerante ao Glifosato, é de 56 dias, quando o produto for aplicado em pós-emergência das plantas daninhas e da soja conforme indicações e recomendações de registro do produto.
 
O intervalo de segurança para a cultura da soja não é determinado quando o herbicida tolerante ao Glifosato for aplicado em pós-emergência das plantas daninhas e em pré-emergência da soja. O herbicida tolerante ao Glifosato não é recomendado para essa modalidade de uso.
 
Limitações de uso: O herbicida tolerante ao Glifosato é seletivo quando aplicado sobre as variedades de soja com o gene tolerante ao Glifosato desde que sejam seguidas as orientações constantes na bula e rótulo do produto. O herbicida tolerante ao Glifosato não pode ser aplicado sobre variedades de soja ou outras espécies que não contenham o gene tolerante ao Glifosato ou que sejam sensíveis ao seu ingrediente ativo, o glifosato.
 
Sob ameaça de chuvas, suspenda a aplicação. Caso ocorra chuva nas primeiras duas horas após a aplicação, a eficiência do produto pode diminuir. Este intervalo de tempo é necessário para que o produto seja absorvido pelas folhas e translocado para as plantas daninhas, levando-as à morte.
 
Para assegurar a eficiência do produto é necessário utilizar água limpa, sem argilas em suspensão e não se deve aplicá-lo quando as folhas das plantas daninhas estiverem cobertas por poeira.
 
Manejo da resistência: O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de espécies de plantas daninhas resistentes. Como prática de manejo da resistência de plantas daninhas, recomenda-se aplicar herbicidas com diferentes mecanismos de ação, porém devidamente registrados para a cultura junto ao Ministério da Agricultura e do Abastecimento - MAPA.
 
Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas para que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para mais esclarecimentos, consulte um responsável técnico de sua confiança.
 
 
Cuidados com a soja que contém o gene tolerante ao Glifosato
A soja com o gene tolerante ao Glifosato apresenta alguns cuidados que devem ser observados, para que o produtor possa se planejar e fazer o manejo adequado:
- Riscos de deriva
- Residual no pulverizador
- Controle das plantas voluntárias pós-colheita

Como mais uma forma de auxíliar o produtor, a DuPont Pioneer disponibiliza o Guia de Uso de Produtos, onde detalha os pontos que devem ser cuidadosamente observados antes do plantio de lavouras com cultivares transgênicas.