Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Artigos

Artigos

28/01/2010

Herculex®I : o novo Bt

Nesta safra, a Pioneer® está disponibilizando ao mercado a segunda geração de híbridos geneticamente modificados para auxiliar no combate às pragas da cultura do milho: os híbridos Pioneer com o gene Herculex®I.

O milho Herculex®I foi desenvolvido pela Pioneer nos Estados Unidos em conjunto com a Dow AgroSciences e tem como diferença da tecnologia anterior (híbridos YieldGard®) a proteína utilizada no controle de larvas de insetos lepidópteros, chamada de Cry1F.

A proteína Cry1F também é derivada da bactéria Bacillus thuringiensis. Desta maneira, os híbridos Pioneer com o gene Herculex®I também podem ser classificados como milho Bt. A ação da proteína Cry1F sobre a lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda), na forma como é produzida nos milhos Herculex®I, é melhor em comparação com outros híbridos Bt presentes no mercado. Por isso, espera-se melhor eficiência no controle desta praga, que hoje é a praga que provoca mais danos econômicos à cultura do milho no Brasil.

Da mesma forma que as outras tecnologias de milho Bt existentes, os híbridos Pioneer com o gene Herculex®I também apresentam ótimo controle da broca-da-cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) e supressão da lagarta-das-espigas (Helicoverpa zea).

Além disso, ampliando o espectro de controle de pragas, quando comparado com as outras tecnologias Bt disponíveis no mercado, os híbridos Pioneer com o gene Herculex®I também possuem ação de controle sobre algumas pragas iniciais como a lagarta-rosca (Agrotis ipsilon) e lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignosellus).

Com o espectro de controle de pragas mais amplo fornecido pelos milhos Herculex®I e com a utilização do Tratamento Industrial de Sementes oferecido pela Pioneer, chega-se ao conceito de Solução Completa, associando-se a melhor genética com a proteção conferida pelos híbridos Bt e a proteção complementar do Tratamento Industrial de Sementes, que controla pragas não atingidas pela tecnologia Bt tais como os percevejos e os corós. É importante lembrar que é necessário associar a essas tecnologias um correto manejo de insetos na palhada pré-plantio, aumentando assim a probabilidade de sucesso na implantação da lavoura, e consequentemente, na produtividade final.

Como mais um benefício, além da resistência ao ataque de insetos, o milho Herculex®I possui tolerância à aplicação de herbicidas formulados com Glufosinato de Amônio, hoje registrados no Brasil com a marca Liberty®, que podem ser utilizados como mais uma alternativa no controle de plantas daninhas.


Responsabilidade do Produtor
Assim como outros híbridos com a tecnologia Bt, o manejo dos híbridos Pioneer com o gene Herculex®I exige alguns cuidados do produtor rural.

Mesmo com a maior proteção conferida por estes híbridos, é muito importante continuar com o monitoramento constante da lavoura. Visitas frequentes para avaliar os níveis de controle das pragas-alvo são fundamentais para o melhor aproveitamento do potencial desta tecnologia. Qualquer sinal de ataque deve ser anotado e analisado, pois, em condições de alta pressão de pragas, nenhuma tecnologia garante 100% de controle. Além disso, a tecnologia do milho Herculex®I não tem atuação sobre outros tipos de praga, que não as lagartas de insetos lepidópteros.


Manejo de Resistência
Como no caso dos inseticidas químicos, especialmente organofosforados e piretroides, o uso do milho Bt tem o potencial de selecionar os insetos naturalmente resistentes a esta tecnologia e, no caso do Herculex®I, isso não é diferente. Para evitar que estes insetos se multipliquem em nível de inviabilizar o uso da tecnologia, algumas práticas simples devem ser adotadas, sendo a mais recomendada a instalação de uma zona de refúgio composta por milho não Bt, que seja de, no mínimo, 10% da lavoura e dentro de uma distância de, no máximo, 800 metros da área plantada com milho Bt.

Outro cuidado fundamental é observar a norma de coexistência entre milho convencional e milho transgênico estabelecida pelo Governo Federal (Resolução Normativa nº4, da CTNBio), que estabelece as distâncias que devem ser observadas entre o campo plantado com de milho geneticamente modificado (Bt ou outras tecnologias) e o campo de milho convencional do vizinho. É importante ressaltar que esta prática não está relacionada à segurança do produto, atestada por sua aprovação para uso comercial, e se resume a respeitar o direito do vizinho de não ter seu milho polinizado por plantas de milho transgênico.

A norma de coexistência prevê apenas o isolamento por distância, sendo que os campos devem ser separados por 100 (cem) metros de distância ou, alternativamente, por 20 (vinte) metros, caso seja plantada uma bordadura de dez linhas de milho convencional, de mesmo porte e ciclo do híbrido transgênico. Esta bordadura pode contar como área de refúgio, desde que atenda ao tamanho necessário de área.

É muito importante ressaltar que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está fiscalizando a adoção das medidas de coexistência e que o produtor, que não respeitar estes requerimentos, pode ser penalizado pelo não cumprimento da norma.

A tecnologia Herculex®I representa mais um avanço para a agricultura brasileira e, observando os pontos acima, o produtor de milho só tem a ganhar com o plantio desta tecnologia. A Pioneer já possui vários híbridos registrados com a tecnologia Herculex®I e estará sempre trabalhando para trazer à disposição dos produtores as melhores tecnologias nos melhores híbridos para cada região do país.

IMPORTANTE: o milho Herculex®I não pode ser utilizado como refúgio para outros híbridos Bt e vice-versa.

Maiores informações podem ser encontradas nos links abaixo:
- Refúgio
- Coexistência
- http://www.planterefugio.com.br/

 

 


Autor:
Goran Kuhar Jezovsek
Gerente de Registro e Regulamentação da Pioneer Sementes
Fonte: