Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Artigos

Artigos

14/12/2010

Custos: Uma ferramenta de gestão nas empresas rurais brasileiras

Quantos sacos de soja, milho e arroz foram produzidos por hectare na safra 2009/2010?

A grande maioria dos empresários rurais brasileiros sabe responder esta pergunta corretamente.

A segunda pergunta, quantos reais foram gastos por hectare para produzir as quantidades de soja, milho e arroz informadas anteriormente?

Certamente, a dificuldade em responder esta segunda pergunta será bastante grande.

Mas, se os empresários rurais brasileiros sabem todas as quantidades necessárias de insumos que deverão ser utilizadas por hectare para cada cultura que vão produzir e os rendimentos destes produtos, por que não sabem o custo do que foi produzido?

Para pagar os insumos, serviços, fazer investimentos e manter a família são utilizados reais e não somente sacos, quilos ou arrobas de produtos. Por que, então, vários empresários rurais não sabem quantos reais sobraram ao final da safra? Por que muitos empresários rurais ainda não utilizam esta importante ferramenta de Gestão, que é o Controle de Custos?

Na nossa avaliação, a não utilização por vários empresários rurais, de um sistema de Controle Econômico e Financeiro na Gestão das Empresas Rurais ocorre devido aos seguintes fatores:
- Por desconhecimento da técnica de levantamento e controle das informações, assim como da sistematização destes dados;
- Por não gostarem de manusear papéis;
- Pela falta de capacitação na interpretação dos dados controlados;
- Pelo desconhecimento de ferramentas, além do cálculo do Custo, que poderão ser utilizadas como Fluxo de Caixa e Orçamento;
- Por acharem que sabem tudo;
- Por resistência em capacitar pessoas para organizar as informações que deverão ser controladas, processadas e descritas através de relatórios analíticos;
- Por estarem dando lucro os negócios e acharem que sempre continuarão linearmente produzindo o mesmo resultado;
- Por estarem endividados e ter medo de quantificar o valor;
- Por só juntarem a documentação (notas) quando da elaboração do Imposto de Renda, momento que normalmente ocorre sob pressão;
- Por não saberem a grande diferença que existe entre uma Contabilidade Fiscal, como o próprio nome diz, atende o Fisco e uma Contabilidade Gerencial, que atende a Gestão de Negócio;
- Pela complexidade dos sistemas de controles que conhecem, quando na realidade os mesmos deveriam ser extremamente simples;
- Para que outras pessoas, inclusive da família, não conheçam os números dos seus negócios.

O que falta?
Saber que gerenciar é...
... controlar e agir corretivamente!
“Sem indicadores, não há medição”
“Sem medição, não há controle”
“Sem controle, não há gerenciamento”

Para fazer o Gerenciamento Econômico e Financeiro, não basta, embora importante, conhecermos somente os seguintes custos:
- Fertilizantes;
- Sementes;
- Defensivos;
- Óleo diesel;
- Lubrificantes;
- Manutenção de máquinas, equipamentos e benfeitorias;
- Aviação Agrícola;
- Colheita;
- Frete;
- Secagem;
- Mão de obra;
- Etc.

 
E os demais Custos Diretos onde estão?
- Impostos;
- Arrendamento;
- Juros de Custeio, comercialização e investimentos.
 
 
E os Custos Indiretos:
- Custo de Oportunidade do Capital Próprio;
- Custo de Oportunidade da Terra, que é própria;
- Depreciação das benfeitorias, máquinas e equipamentos.
E o recurso financeiro mais necessário, onde está orçado?
 
 

Recursos para manutenção da família
É necessário conhecer todos os Custos? O correto diria que sim. Mas, poderá ser organizado um sistema de informação e controle que permita conhecer os mais importantes, os quais serão mais utilizados como ferramenta de gestão para refletir e responder questionamentos que são importantes na Gestão das Empresas Rurais Brasileiras, tais como:
- O fluxo de caixa atual está permitindo uma boa comercialização de grãos?
- O alto investimento em todas as tecnologias ofertadas tem apresentado retorno?
- As culturas atuais estão proporcionando o retorno esperado, ou devem ser modificados tamanho e tecnologia utilizados nas mesmas;
- Como foram determinadas as áreas de milho e soja para a safra 2009/2010?
- Qual será a necessidade de recursos financeiros para a safra 2010/2011?
- Custeio das atividades;
- Amortização de investimentos;
- Custeio da vida particular da família;
- Os níveis de investimentos em imobilizados estão condizentes com o resultado das atividades desenvolvidas?
- Poderei investir na compra de terras?
- Quantos sacos de produtos poderei pagar de arrendamento?
- Por que tive que pagar Imposto de Renda, se o preço dos produtos agrícolas que produzo estão com valores baixos?
- Por que minha família e meus empregados estão insatisfeitos com seus rendimentos, se não diminuiu o tamanho dos negócios?
- Por que não tenho tempo e nem tranquilidade para pensar no futuro dos meus negócios?
- Por que não consigo tempo para conviver com a minha família?

Fica evidente que a falta de controles econômicos e financeiros nas empresas rurais brasileiras não prejudica só o negócio, mas também a necessária convivência familiar.

É grande a falta de conhecimento por parte dos empresários rurais brasileiros, de como os mesmos podem estruturar tributariamente as suas empresas e seus negócios nos seguintes pontos que impactarão diretamente nos custos:
- Como estruturar tributariamente a venda de uma propriedade rural para diminuir o custo do Imposto do Ganho do Capital (Lucro Imobiliário);
- Como planejar a compra de uma propriedade rural, visando a redução dos custos dos impostos, numa possível venda da mesma;
- Como estruturar uma parceria entre as Pessoas Físicas que exploram o negócio com uma ou mais Pessoas Jurídicas que deverão ser criadas para tornarem-se proprietárias da terra.

Com relação à redução de custos via impostos, já que os mesmos são isoladamente os custos mais altos na vida das pessoas e das empresas, poderíamos seguir tratando sobre os mesmos com relação a ITR, ITCD, ITBI, etc., mas jamais teríamos a ilusão de conseguirmos comentar tudo que é possível fazer para reduzir os mesmos neste artigo. Como estamos falando sobre gestão nas Empresas Rurais Brasileiras, deixamos para o final a parte econômica e financeira relacionada à família do empresário por considerarmos esta a base fundamental para o sucesso e a continuidade das empresas rurais no nosso país. Por que o tema família? A resposta ocorre em cima dos números que mostram que 95 % das Empresas Rurais Brasileiras são familiares.

Como a família faz parte do negócio, seja envolvida direta ou indiretamente, as informações econômicas e financeiras tornam-se fundamentais para a Gestão da Empresa Rural, assim como para definir a participação dos membros da família nos resultados da mesma. Como os filhos poderão participar dos negócios dos pais, se os resultados econômicos não são conhecidos, sem ocasionar o enfraquecimento da empresa e o aumento dos atritos familiares?

Para que não aconteça nenhuma das duas situações anteriores descritas, é necessário a apuração do resultado econômico e financeiro das atividades desenvolvidas ao final de cada ano agrícola.

Nós, da SAFRAS & CIFRAS, no processo de Gestão nas Empresas Rurais Familiares, separamos o que é Organização do Negócio Familiar do que é Estruturação do Patrimônio, visando a Sucessão (Transição).

No processo de Organização do Negócio Familiar fica estabelecido como ocorrerá a participação da família no negócio. Por isto necessitamos das informações econômicas e financeiras da empresa para que possamos estabelecer o regramento a ser seguido. Entre elas estão:
- Definir a participação de pais e filhos no negócio;
- Estabelecer os sistemas de parcerias;
- Definir a participação econômica no negócio dos filhos que trabalham no mesmo com relação aos que trabalham em outras atividades econômicas;
- Estabelecer as relações societárias;
- Contemplar a perspectiva dos sócios na Gestão e fora dela;
- Estabelecer remunerações aos sócios administradores;
- Demonstrar a todos os sócios da empresa os resultados econômicos obtidos assim como planejar novos investimentos.

Poderíamos citar muitas outras ações que são implantadas pela SAFRAS & CIFRAS na Organização do Negócio Familiar, mas estas são suficientes para demonstrar a importância dos controles como ferramentas de Gestão. Portanto, o Cálculo do Custo é uma ferramenta fundamental para Gestão das Empresas Rurais Brasileiras tanto para medir os resultados econômicos das atividades desenvolvidas quanto para manter a família unida.

Temos certeza que as Empresas Rurais Brasileiras que utilizarem, na sua Gestão, o que comentamos anteriormente terão muito sucesso. Da mesma forma elas poderão passar o Negócio e o Patrimônio Geração após Geração, aumentando a escala e mantendo a unidade familiar, que é o desejo de todos os pais. ​

Autor:
Cilotér Borges Iribarrem
Consultor Safras & Cifras