Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Artigos

Artigos

02/08/2007

O agricultor do futuro

A garantia de sucesso passa pela correta gestão do agronegócio

Quem já não teve ou ainda tem essa rotina no seu dia-a-dia na propriedade? Levantar antes do raiar do dia e logo cedinho já estar passando pelo galpão da fazenda, reunindo a equipe e traçando as diretrizes de trabalho; passar o dia percorrendo a propriedade, acompanhando de perto todas as atividades e, constantemente, envolvendo-se com as mesmas, literalmente pondo as mãos na massa. São cenas bem- conhecidas por muitos dos que estão lendo este artigo. Mas, o que tem isso de errado? Se é que podemos dizer que estamos errados em tomarmos conta do que é nosso. Eu diria que cenas ou atitudes como essas não são mais a única rotina do agricultor moderno. As necessidades atuais vão muito além da porteira e das divisas da fazenda. E será que estamos preparados para isso? Para delegar, monitorar, avaliar, organizar ou, em últimas palavras, nos planejar para que tudo isso aconteça do jeitinho que nós queremos e ganhar tempo para nos dedicar a outras atividades que, com certeza, interferem no agronegócio?

Mudança de atitude, um passo difícil, mas importante

O agricultor de sucesso deve pensar, de forma mais abrangente, em todos os fatores que norteiam a produtividade suas propriedades. Deve, antes de mais nada, assumir uma postura de “Empresário Rural”, ou seja, um papel mais de gestor do que de executor das atividades, lembrando sempre que seu papel nessa nova postura é o de realizar as tarefas por meio das outras pessoas, ou seja, sua equipe de trabalho afinada, treinada, produtiva e não ele mesmo partindo para a ação.

Isso não quer dizer trabalhar menos. Muito pelo contrário: esta situação requer um trabalho muito mais intenso, porém administrando a propriedade como uma autêntica empresa rural e, para tanto, qualidades como visão, empreendedorismo, liderança, planejamento estratégico, gestão de pessoas, entre outras, se tornam fundamentais.

Sabemos que esse tipo de coisa vem sendo muito difundida e pode até mesmo parecer que seja mais um desses modernismos que vem e desaparecem com a mesma velocidade. Mas, se você ainda tem dúvidas quanto a isso, é hora de parar para pensar um pouco. Reflita, por alguns minutos, sobre as mudanças no mundo. As máquinas mudaram e muito, mas elas necessitam de mão-de-obra especializada. Os híbridos melhoraram muito, o que até bem pouco tempo era impossível de ser alcançado, por exemplo, 180 a 200 sacas por hectare de milho, hoje, já é uma realidade. Hoje, com o celular, acham você em qualquer lugar e a qualquer momento. Hoje, você também pode consultar preços, produtos, serviços e até mesmo comprar pela internet. O aquecimento global que, para muitos, era uma conversa apenas para assustar ou falta do que noticiar, agora está revolucionando o mundo em termos energéticos e ambientais. Você tem à sua disposição qualquer tecnologia encontrada no mundo. E tudo foi muito rápido. Então, por que não acreditar que a sua forma de trabalhar também mudou? Sim, nós concordamos, não devemos mudar tudo, e nem mesmo desprezar a experiência, mas ajustar e combinar com inovações em função de uma nova realidade, parece lógico e inteligente. Fácil sabemos que não é, mas que é preciso. Então, por que não começar?

O ponto de partida e a importância das gerações

Parece um esforço fora de propósito, mas, na verdade, é pura questão de sobrevivência.

Logicamente que fazer tudo isso sozinho é tarefa para enlouquecer qualquer um. Mas é exatamente neste ponto que o agricultor deve contar com a contra-partida do apoio de seus sucessores, a nova geração: filhos, netos e sobrinhos. Os mais velhos chegam com a experiência adquirida ao longo dos anos e os mais jovens com as novas técnicas e recursos, recém assimilados nas escolas e universidades. Esta é a receita do sucesso que muitos proprietários vêm utilizando com excelentes resultados. Portanto, um esquema de ação que leva em conta todas as competências familiares de geração a geração.

A moderna atividade no campo direciona o agricultor, ou melhor, o empresário rural, a ter que adotar um sistema dinâmico e eficiente de gestão na propriedade, levando em conta, principalmente, uma administração com foco nas pessoas, ou seja, mantendo uma visão voltada para o treinamento e desenvolvimento dos funcionários. Não dá mais para se conceber que um trabalhador sem preparo técnico venha a operar um equipamento agrícola com custo de milhares de dólares, ou então, arcar com os prejuízos de manejos inadequados como doses erradas, aplicação ineficiente gerando problemas no controle e, até mesmo, fitotoxidez, quebras, desperdícios, trabalhos malfeitos, acidentes físicos e ambientais, etc., tudo motivado pela falta de orientação adequada ao trabalhador.

Se, no passado, isso era uma missão impossível, hoje em dia existe o apoio de consultorias especializadas e do Sebrae que ministram programas para todos os níveis e funções. Programas de treinamento envolvendo planejamento estratégico e gestão eficiente da propriedade, qualidade total no campo, segurança no trabalho, cuidados com questões ambientais, são hoje acessíveis a todos os níveis de propriedade. Por outro lado, os fabricantes e distribuidores de máquinas e equipamentos oferecem cursos e treinamentos de campo para utilização de seus produtos sem nenhum custo, o mesmo acontecendo quanto à segurança e ao uso correto dos chamados EPIs.

A Pioneer®, a partir desta última safra, vem oferecendo a um grupo de clientes a possibilidade de participar de diversos eventos com esse propósito. Um desses projetos, o Geração após Geração, se propõe a orientar agricultores e seus sucessores na prática da moderna gestão da propriedade, levando em conta as capacitações dos mais jovens com a experiência dos mais velhos. Todo o exposto acima deve ser complementado por uma busca constante de informação, estar em linha com os acontecimentos da economia mundial e acompanhamento das modernas técnicas e ferramentas de trabalho. Saber a hora certa de negociar e aproveitar todas as potencialidades da propriedade no sentido de gerar fontes de ganho e/ou redução de custos são, indiscutivelmente, fatores críticos de sucesso que, hoje em dia, não podem deixar de ser considerados pelo homem do campo.​

Autor:
Carlos Alberto de Andrade, Consultor da empresa CAA Consult
Fonte: