Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Artigos

Artigos

21/01/2009

Milho Bt - Porta fechada para os insetos!

Aprovado para o uso pelos agricultores brasileiros, após uma árdua batalha, seguida de discussões onde, muitas vezes, imperavam mais entraves políticos do que técnicos, o milho Bt começa a fazer parte da realidade de nossa lavoura e, ao mesmo tempo, passa a desfrutar de um status importante, figurando como uma das soluções (talvez, a mais eficaz) para reduzir os níveis de infestação de insetos e fungos que comprometem a produtividade do milharal.

Nesse contexto, o milho Bt é uma alternativa importante pois ele diminui, ou até elimina, a necessidade de uso de inseticidas. Isto significa menor gasto de recursos para os produtores e alimento de melhor qualidade para o consumidor, sem contar que o meio ambiente fica preservado da contaminação com inseticidas. O milho Bt produz uma proteína que é tóxica somente para determinados insetos. Existem variedades de milho Bt que produzem diferentes proteínas tóxicas. Algumas possuem ação contra lagartas que consomem as folhas da planta de milho. Outras são ativas contra larvas de besouros que atacam o caule da planta de milho. Essas pragas são responsáveis por perdas enormes para a produção do milho obrigando o uso pesado de inseticidas.

Ao ser eficiente no combate aos principais insetos que atacam a lavoura, o milho Bt consegue, de forma decorrente, um controle eficiente de fungos, outros grandes causadores de perdas. Os insetos, ao se alimentarem do milho, causam ferimentos aos grãos tanto na lavoura como no período que o milho fica armazenado após a colheita. Esses ferimentos são a “porta de entrada” para que os fungos invadam o grão. Caso as condições de umidade e temperatura sejam altas, ocorre um favorecimento ao crescimento do fungo no interior do grão.

Esses focos de infecção produzem um grande número de estruturas do fungo, denominadas esporos, que após serem liberadas irão infectar mais grãos. Durante seu crescimento o fungo produz micotoxinas para facilitar a destruição do tecido vegetal. Portanto, impedir que a infecção fúngica se inicie a partir de ferimento causado por insetos é um método muito eficiente para controlar o acúmulo de micotoxinas.

Essa natureza nociva do milho Bt a determinados insetos, porém, não faz dele um risco a saúde do homem nem tampouco aos outros animais ou ao meio ambiente. A proteína tóxica que ele contém é inócua a todos organismos que não são alvos, incluindo grupos de insetos que não se alimentam do milho, fungos, bactérias, animais e seres humanos. Diversos estudos têm se dedicado a estudar os possíveis efeitos da toxina em organismos não alvo e os resultados das pesquisas indicam sua segurança. Isto se deve a grande especificidade da toxina, que exige condições muito restritas para sua atividade, que somente são encontradas no aparelho digestivo de determinados insetos como, por exemplo, a presença de receptores celulares. É importante também ressaltar que essas toxinas são originadas de uma bactéria denominada de Bacillus thuringiensis que é encontrada em quase todos os solos.

Inseticidas naturais contendo essa bactéria são usados com segurança na agricultura há muito tempo. A diferença do uso de uma planta Bt e de um inseticida Bt é que na primeira o produto somente fica disponível para o inseto que consome a planta e no segundo, que usa a bactéria viva, outros insetos que não consomem o milho podem ser afetados. Portanto, o uso de milho Bt é até mais seguro que o inseticida natural.

No caso do milho Bt a toxina é somente ativa contra o inseto e não contra o fungo. Porém, existem pesquisas em desenvolvimento que possibilitarão o uso de plantas resistentes aos fungos produtores de micotoxinas. Ou seja, mesmo que o dano pelo inseto ocorra, as plantas não acumularão micotoxinas. Essas variedades ainda não são disponíveis comercialmente, mas no futuro poderão ser alternativas importantes para o controle de micotoxinas. A existência de alternativas é sempre desejável, pois os microrganismos facilmente costumam desenvolver estratégias que impedem o funcionamento dos métodos de controle.

 

Produtivo, nutritivo, saudável
As características nutricionais do milho convencional e do milho Bt são equivalentes, pois a única alteração que ocorre é a introdução do gene Bt. As variações nutricionais que ocorrem entre plantas de milho de uma mesma variedade são muito mais freqüentes em função da mudança de clima e do tipo de solo do que pela presença ou não de um determinado gene, como o Bt.

Portanto, a opinião de algumas pessoas que os transgênicos alteram a qualidade nutricional não corresponde à realidade. Já foram realizados exaustivos estudos sobre a segurança alimentar em termos de toxicidade e alergenicidade da proteína Bt. Os grãos do milho Bt também foram submetidos a uma rigorosa avaliação de seu uso como alimento, além disso, esse milho vem sendo consumido há 10 anos em diversos países do mundo sem registro de problemas. Somente após estudos rigorosos uma variedade de milho Bt é liberada para plantio e uso na alimentação. Considera-se que nenhuma outra inovação tenha sido tão avaliada como o caso das plantas transgênicas. Felizmente, esse rigor na análise de segurança de produtos transgênicos tem levado a uma melhor compreensão sobre a segurança alimentar. Possivelmente, no futuro, seremos bem mais exigentes.

 

Produtores daqui querem repetir o sucesso lá de fora!
Um novo estudo da consultoria britânica Brookes West, mostrou que pequenos fazendeiros no Nordeste da Espanha estão conseguindo produzir mais, com melhor qualidade e aumentar suas rendas com o cultivo do milho Bt. A variedade utilizada protege as lavouras contra ataques da broca européia do Colmo, que pode provocar perdas de 15% ou mais na produção. Atualmente, a Espanha é o único país na União Européia onde as lavouras de organismos geneticamente modificados são cultivadas comercialmente e que desfruta dos benefícios do Milho Bt.

Muitos fazendeiros espanhóis não utilizam nenhuma forma de combate à praga, principalmente porque os problemas causados pelas larvas estão escondidos. Além disso, grandes infestações não são previsíveis e o trabalho de checar os campos, diversas vezes, a cada verão demanda tempo e mão-de-obra especializada. Há ainda o alto custo e a dificuldade de estabelecer o momento correto para a aplicação de inseticidas contra a praga. É por isso que muitos fazendeiros espanhóis chegaram à conclusão que o milho geneticamente modificado resistente a insetos é a melhor opção para a produção desse cultivo onde a Broca do Colmo é comum.

Na média, os fazendeiros que usam o Milho Bt têm registrado um ganho em suas rendas de 150 euros por hectare, comparado ao cultivo convencional de milho. É por isso que os agricultores não têm escondido o entusiasmo com o uso dessa tecnologia.

Graham Brookes, autor do relatório, afirmou: “Muitas pessoas não se deram conta que as lavouras GM estão sendo cultivadas com sucesso na Europa. Neste relatório do Nordeste da Espanha, registramos que mais de 20.000 hectares de Milho Bt estão sendo cultivados todos os anos desde 1998”. Isto representa mais de 4% do total da área plantada com milho na Espanha, e existe a estimativa de que cresceria para 36% se a tecnologia do Bt estivesse disponível livremente nos principais híbridos comerciais de milho. Outro ponto positivo destacado pelos fazendeiros no relatório é o fato de que os agricultores locais não têm tido problema na venda de suas lavouras, por meio dos canais regulares da indústria de alimentos para animais.​

Autor:
Flávio Albim
Revista Rural Edição 127 - Setembro/2008
Fonte: