Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Artigos

Artigos

11/03/2009

Tecnologias de Sementes – Presente e Futuro

A biotecnologia
Nove anos após ter dado entrada no pedido de registro e desregulamentação do evento Mon810, portanto pontapé inicial para a introdução da tecnologia OGM em milho no Brasil, vimos no dia 15 de outubro a publicação, no Diário Oficial da União, da aprovação, pela CTNBio, de dois novos eventos para cultura do milho – NK603 e GA21.

Diferente dos dois primeiros eventos liberados - Mon810 e Bt11, este último liberado em setembro de 2008 -, cujos genes foram identificados na bactéria do Bacillus thuringiensis e introduzidos nas plantas para produzir as proteínas Cry e que lhes confere resistência às larvas de alguns insetos da ordem Lepidóptera, em especial a broca-da-cana-de-açúcar e a lagarta-do-cartucho do milho, os eventos NK603 e GA21 irão conferir, às plantas de milho, tolerância ao herbicida glifosato, característica já conhecida dos agricultores na cultura da soja.

A adoção de híbridos de milho Bt deverá contribuir substancialmente para a economia e a comodidade do produtor, uma vez que, independente do local ou época onde a lavoura for plantada, a dose certa do inseticida - proteína letal aos insetos-alvo - estará distribuída por toda a planta e durante todo o ciclo.

Como principais benefícios quanto à adoção da tecnologia Bt, podemos citar: redução do uso de inseticidas e de combustível para controle das pragas-alvo; redução nos níveis de grãos ardidos provocados por escapes ao controle via pulverizações convencionais com inseticidas da lagarta-do-cartucho-do-milho (Spodoptera frugiperda) ou lagarta-da-espiga (Helicoverpa zeae), preservação de inimigos naturais, redução dos riscos de intoxicação e comodidade.

Alguns outros benefícios podem ocorrer por meio da adoção de híbridos de milho com o gene Bt.A redução dos níveis de micotoxinas nos grãos é um deles. Micotoxinas são metabólitos secundários produzidos por fungos (Fusarium sp., Penicillium sp, Aspergillus sp.), que penetram nas espigas através dos orifícios abertos na palha que cobre a espiga. Esses furos decorrentes do ataque da lagarta-da-espiga e/ou pela lagarta-do-cartucho propiciam ótimas condições ambientais para o desenvolvimento de fungos, com a umidade decorrente da água da chuva e da temperatura.

O milho Bt produzirá importante impacto positivo na indústria de transformação como a indústria de aves e suínos, principalmente, no que se refere aos índices de desempenho animal, pela melhoria da qualidade das rações e pela redução nos custos de produção, uma vez que a presença dessas micotoxinas nos grãos de milho acarreta problemas de saúde nos animais, podendo até, dependendo do nível de contaminação, levar o animal à morte.

No caso dos híbridos que serão comercializados com a tecnologia Roundup Ready® - evento NK603 -, ocorrerá aumento na qualidade do controle de ervas daninhas presentes na cultura do milho, em especial gramíneas que apresentem sensibilidade ao herbicida glifosato, incrementando a possibilidade de ganhos de produtividade pela redução da mato-competição inicial (até o estádio V6 – 6 folhas totalmente expandidas), principalmente, em áreas muito infestadas.

Além disto, a utilização do milho Roundup Ready, por sua vez, contribuirá para a redução das populações de espécies infestantes resistentes ao herbicida glifosato, selecionadas pelo seu uso na cultura da soja, já que a utilização concomitante ou em associação de herbicidas à base de Atrazina se fará necessária para criar um efeito residual inexistente no glifosato.

O que não deve embalar o sonho dos agricultores é a ilusão de que, ao embarcar nestas tecnologias, ele possa se eximir do acompanhamento de suas lavouras. Já é sabido que, independente do evento que ele esteja utilizando, de forma isolada ou combinada, sempre se fará necessário monitorar a expressão destas características a campo. Isto porque um elevado número de variáveis que interferem, positiva ou negativamente, continuarão ocorrendo e demandando ações corretivas por parte dos produtores. Portanto, monitoramento sempre foi e será a palavra-chave.

Também deverão fazer parte da vida do agricultor novas práticas como auxílio ou proteção da tecnologia. As áreas de refúgio, por exemplo, é uma delas. Pensar que as medidas de preservação da tecnologia Bt como a implantação de áreas de refúgio são dispensáveis, pode levar esta tecnologia à obsolescência em período tão curto que a pesquisa das empresas não conseguirá desenvolver alternativas em tempo hábil para controlar pragas que possam ter adquirido resistência pelo uso inadequado e indiscriminado da tecnologia.

Uma das preocupações que a Pioneer® tem com a adoção destas tecnologias é exatamente a orientação a todos os agricultores e aos profissionais que atuam na assistência, nos cuidados que devem ser observados para que se obtenha a maior eficiência e durabilidade para essas tecnologias. Para tanto, a consciência de implantar as áreas de refúgio nas lavouras de milho Bt é fator essencial para o sucesso da tecnologia ao longo do tempo.

No caso de produtores vizinhos, não só a política da boa vizinhança, mas também a questão comercial propõe ações para assegurar o direito dos produtores vizinhos colherem suas lavouras sem presença de OGMS, implantando as práticas exigidas pela CTNBio para Coexistência entre o milho geneticamente modificado e o convencional, independente do evento utilizado, valendo tanto para o milho Bt quanto para o milho Roundup Ready. É o direito de escolha pela adoção ou não da tecnologia.

 

As práticas de manejo
Para se alcançar altos níveis de produtividade, a cultura do milho é extremamente dependente da população final de plantas e da sua uniformidade de desenvolvimento inicial. Assim, o produtor continuará a adotar cada vez mais ações que visem a manutenção do stand de plantas, embora com um foco de preocupações diferenciado em relação ao que até então era importante. Os desafios pela implantação e manutenção de números cada vez mais elevados de plantas por hectare deverão direcionar os esforços para a utilização de produtos para tratamento de sementes que, além de realizarem o controle ou supressão das pragas emergentes, deverão prover também o controle de fungos e/ou nematóides que reduzem em parte a produtividade.

É possível antecipar que após o controle da lagarta-do-cartucho via milho Bt, insetos, que antes eram considerados pragas secundárias, tomarão um nível de importância econômica até então desconhecida. Assim, insetos como a larva-arame (Conoderus sp.), a lagarta-rosca (Agrotis ipslon), os corós (Liogenes sp.; Phylophaga sp. e Dilobderus sp.), lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignoselus) e o percevejo-barriga-verde (Dichelops furcatus) exigirão medidas específicas de controle do produtor.

O tratamento de sementes industrial à base de Tiametoxan e Fipronil passa a ser uma prática de manejo estratégica diante dessa mudança no espectro de pragas. Outro ponto de inovação e sem custo adicional para o produtor é a adição do polímero associado às sementes, contendo tecnologia Bt e tratamento de sementes industrial (TSI). O polímero, além de permitir melhor aderência destes produtos à semente, eliminará a formação de pó, diminuirá a aderência entre as sementes, melhorará a fluidez e, por conseqüência, a distribuição e plantabilidade das sementes, dispensando finalmente o uso do velho grafite.

 

Semente pronta - A era dos serviços, da segurança e da praticidade
A Pioneer vem há anos investindo em pessoas, pesquisa, processos e equipamentos que permitam prestar serviços úteis, seguros e facilitem a vida dos agricultores. Há mais de vinte anos trouxe para o Brasil discos de nylon para o plantio, cuja intenção foi a de solucionar os problemas de plantio enfrentados pelos agricultores, uma revolução na época. Após isso, muitas outras tecnologias foram desenvolvidas pela Pioneer, a exemplo da venda por número de sementes, sempre com foco na solução de problemas do campo. Recentemente, cerca de cinco anos atrás, iniciou no Brasil algo inédito: o tratamento industrial de sementes dentro de um conceito moderno de prestação de serviços.

Porém, as coisas não param por aí. A partir desta safra, a Pioneer introduzirá no mercado o conceito de sementes prontas. Vejam um exemplo prático de como a “era do abra o saco e plante” ficará disponível aos clientes Pioneer: semente de milho Pioneer com gene Bt + TSI com Cruiser® ou Standak® ou associação de ambos + polímero = semente pronta para plantar. Esse é o novo conceito desenvolvido pela Pioneer e que estará à disposição dos agricultores a partir desta safra.

 

As novas tecnologias que estarão chegando
Além das tecnologias já apresentadas, muita coisa estará chegando ao mercado. Os genes de resistência a doenças é uma delas. São genes identificados em plantas de milho, mapeados com o uso de marcadores moleculares, que conferem resistência ou tolerância a determinadas doenças.

A utilização dos genes e o uso de marcadores moleculares para facilitar a transferência dos genes de resistência a doenças de uma planta para outra, formam um poderoso ferramental que, associado às técnicas convencionais de melhoramento genético, base de todo o sucesso, permitirão obter soluções tecnológicas específicas em precisão e tempo antes inimagináveis.

No ano passado, o híbrido 32R21 valeu-se desta técnica para receber resistência ao Exerohilum turcicum (E. turcicum), doença para a qual era sensível, dando origem ao 32R22. Desta mesma maneira, em breve, características de tolerância à doenças como turcicum, ferrugem polysora, ferrugem tropical, antracnose, fusarium, e mancha branca, cujas fontes de genes já estão caracterizadas, poderão ser incorporadas aos híbridos suscetíveis, possibilitando a recomendação de plantio destes materiais nas áreas de ocorrência histórica destas doenças ou suprimindo a necessidade de utilização de fungicidas para seu controle.

Novos eventos que conferem resistência a insetos no milho como Herculex®I (lepidópteros) e Herculex RW® (coleópteros) estão para serem aprovadas no Brasil, bem como a utilização de características associadas, onde poderemos ter plantas de milho tolerantes ao glifosato e ao glufosinato de amônio com resistência a lepidópteros e a coleópteros, todas em uma mesma planta e em pouco tempo.

No médio e longo prazo, as empresas de semente, tanto no Brasil quanto no exterior, movimentam-se para introduzir características de resistência estresse hídrico, fator de produtividade incontestável no milho e melhor aproveitamento de nitrogênio e mais diretamente o incremento de produtividade, da mesma forma que já existe na soja.

Enfim, o presente e o futuro são bastante promissores e a Pioneer, líder em genética, tecnologia e serviços diferenciados, mostra ser a mais completa e melhor parceira para o agricultor.​

 

 
 
Autor:
Carlos W. Hentschke
Engenheiro Agrônomo Diretor de Produtos e Tecnologia da Pioneer Sementes
Fonte: