Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Artigos

Artigos

27/04/2009

Precocidade na Safrinha – O mito e a realidade

A cada dia o milho tem aumentado sua importância tanto no mercado nacional como no internacional, promovendo mudanças no cenário agrícola. Como consequência, deve-se destacar a melhoria do nível tecnológico de produção, bem como a expansão de áreas agricultáveis em diferentes estados brasileiros, destacando-se Mato Grosso, Goiás e Paraná para o cultivo da safrinha. Historicamente, a safrinha tem sido associada a uma cultura de risco pela adoção de baixo nível tecnológico. Contudo, a valorização do produto comercial tem promovido mudança gradual de investimento. Nessa direção, a Pioneer tem trabalhado sistematicamente para oferecer aos agricultores, práticas de manejo adequadas e híbridos responsivos ao nível tecnológico empregado, uma vez que, o crescimento da área plantada tem levado a exploração de áreas com características edafoclimáticas específicas e que demandam melhor conhecimento.

 

Características da safrinha
O cultivo da safrinha vem sendo uma alternativa importante aos agricultores porque permite que o milho ainda possa ser plantado em período em que as condições climáticas favoreçam o crescimento e a produção. No entanto, a época de plantio da safrinha encontra-se atrelada predominantemente ao período de plantio e de colheita das áreas com soja, fazendo com que o risco da cultura aumente sobremaneira para semeaduras do milho no mês de março em diante. Como as principais regiões produtoras de milho safrinha encontram-se localizadas nos estados do Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato do Grosso do Sul e São Paulo, que apresentam condições climáticas e nível tecnológico específico, torna-se impossível fazer uma recomendação geral em termos de manejo e do cultivo de híbridos.

 

Como manejar os fatores bióticos e abióticos na safrinha
Em relação aos fatores abióticos, que determinam o insucesso dos cultivos de milho, e que têm assolado o milho safrinha, destacam-se a escassez das chuvas, principalmente na fase de florescimento e de enchimento de grãos, bem como as baixas temperaturas, que podem estar associadas com a ocorrência de geadas, estas especificamente no Paraná e parte do Mato Grosso do Sul. Devido a estas condições de ambiente, uma alternativa que vem sendo adotada pelos agricultores refere-se ao plantio de soja precoce na safra de verão com o intuito de permitir o plantio antecipado de híbridos de milho safrinha com elevado potencial produtivo e que, normalmente, apresentam ciclo médio a tardio. Outra forma de reduzir o risco da ocorrência de baixas temperaturas em cultivo na safrinha, e que vem sendo trabalhado no programa de melhoramento genético da Pioneer, refere-se ao desenvolvimento e à recomendação de híbridos com maior precocidade, visando reduzir o período de permanência das plantas de milho no campo pela antecipação da colheita. Esta característica tem sido buscada, principalmente, pelos produtores de safrinha do oeste do Paraná e Mato Grosso do Sul porque, nestas áreas, a ocorrência de geadas pode acontecer de maneira antecipada, como neste ano.

O atributo da planta precoce pode estar associado ao período de florescimento e à perda do conteúdo de água dos grãos de milho. Fisiologicamente, a antecipação do florescimento encontra-se correlacionada ao menor potencial produtivo em relação aos híbridos com florescimento mais tardio. Nesse contexto, o crescimento vegetativo é de fundamental importância para a produção de grãos, uma vez que, após o início do florescimento, a planta emprega sua energia para sua sobrevivência e para a formação das estruturas reprodutivas e de produção. Como estas plantas apresentam menor área com capacidade de realizar fotossíntese, menor será sua capacidade de produção de energia para a formação dos grãos. Já a perda do conteúdo de água de grãos pode ser trabalhada de maneira mais eficiente, pois não se encontra associada à limitação do potencial produtivo da planta. Neste sentido, plantas com florescimento normal podem apresentar perda rápida do conteúdo de água, ficando prontas para serem colhidas no período adequado. Contudo, a Pioneer tem buscado, por meio do melhoramento genético, selecionar genótipos com florescimento precoce, com perda rápida do conteúdo de água dos grãos e que apresentem adaptação às condições de cultivo da safrinha, sem perder substancialmente a capacidade produtiva. Neste sentido, na safrinha de 2009 está sendo lançado o híbrido superprecoce Pioneer P3340, que apresenta florescimento precoce aliado à produtividade de grãos e que mostra bons níveis de tolerâncias às principais doenças da cultura neste período.

Em relação aos fatores bióticos, deve-se analisar o progresso da incidência e severidade das doenças em milho. Neste contexto pode-se destacar que este aumento pode ser reflexo de diferentes causas, como o cultivo de híbridos altamente suscetíveis em regiões aptas ao crescimento da incidência de doenças, aliado, muitas vezes, ao plantio de milho sobre milho que torna favorável sua perpetuação. Contudo, deve-se enfatizar que a identificação de genes de resistência e sua utilização nos programas de melhoramento genético da Pioneer, têm resultado no lançamento de híbridos resistentes às principais doenças e sua recomendação para determinadas condições de cultivo. Deve-se salientar ainda que, para permitir estabilidade ao agricultor, torna-se necessário buscar constantemente a identificação de fontes de resistência para serem usadas nos programas de melhoramento. Neste contexto, a safrinha, por abrigar diferentes regiões produtoras e que apresentam diferentes pacotes tecnológicos, vem sendo beneficiada pelo desenvolvimento de híbridos da Pioneer com características específicas para cada uma delas, o que é um diferencial no mercado de sementes de milho. Isto só é possível de ser alcançado graças à localização estratégica das estações de pesquisa da Pioneer e à sua rede de ensaios de avaliação de híbridos e de desenvolvimento de práticas de manejo, estrategicamente distribuídas em diferentes regiões, épocas de plantio, tipos de solos e nível de manejo, garantindo, assim, o correto posicionamento dos híbridos e, consequentemente, a estabilidade dos mesmos.​

Autor:
Adilson Ricken Schuelter
Assistente de Pesquisa Sênior da Pioneer Sementes

Delmar Brenner
Cientista Sênior da Pioneer Sementes
Fonte: