Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

17/07/2013

Estimativa do Valor Bruto da Produção é de R$ 272,2 bilhões em 2013

​A estimativa do Valor Bruto da Produção das principais lavouras em 2013 é de R$ 272,2 bilhões. O valor é de 9,4% superior ao do ano passado, que foi de R$ 248,7 bilhões. As informações são da Assessoria de Gestão Estratégica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (AGE/Mapa).
 
Entre as lavouras analisadas, as que mais contribuíram para esse aumento foram a batata inglesa (26,0%), fumo (18,2%), laranja (44,4%), milho (11,3%), soja (17,2%), tomate (65,3%) e trigo, 20,3%. Em níveis pouco menores de aumento do valor da produção estão o arroz, banana, cana de açúcar e feijão. Os resultados obtidos se devem ao bom desempenho de vários desses produtos, onde alguns apresentaram neste ano produções recordes como o milho, soja e cana de açúcar. Os preços favoráveis também contribuíram para os resultados de alguns desses produtos principalmente em batata inglesa, laranja, milho e tomate.
 
Entre os produtos que vem apresentando redução de valor da produção em relação ao ano passado, destacam-se o algodão, como um dos que têm maior queda de valor, café, cacau, mandioca, uva e maçã.
 
As estimativas do valor da produção regional mostram as regiões Sul e Sudeste liderando neste ano os aumentos do VBP, com 26,1% e 16,3%, respectivamente. Na região Sul, o destaque é o Rio Grande do Sul com bons resultados do arroz, fumo, maçã, milho, soja e trigo.
 
No Sudeste, o destaque é para São Paulo, onde o valor da produção está sendo impulsionado pela cana-de-açúcar, laranja, soja e tomate. No Norte do país, o valor da produção é estável e no Nordeste o acréscimo em relação a 2012 é de 4,7%, pois a região tem sido bastante afetada pela seca. Os produtos mais atingidos têm sido o milho e feijão, ambos muito importantes na formação da renda local.
 
Clique aqui para baixar as tabelas com as previsões do VBP em junho.
 
 
Fonte: