Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

25/02/2014

Colheita da soja avança e atinge 47% em MT

A colheita da safra de soja em Mato Grosso já chega 47,3% dos pouco mais de 8 milhões de hectares. Os números são do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), que no boletim divulgado, ontem (24), apontou mesmo com uma evolução menor, devido as chuvas, os trabalhos estarem à frente do ciclo anterior em 4,2 pontos percentuais (p.p.).
 
Segundo o instituto, “desta forma, já foram lançadas no mercado 12,7 milhões de toneladas, ou seja, quase 25% a mais que no mesmo período do ano passado, quando o mercado tinha disponível 10,1 milhões de toneladas da oleaginosa. Esses valores, que seriam motivo de orgulho, acabam trazendo grandes problemas. Um desses é a conhecida disparada do frete da soja para os portos”.
 
De acordo com o Imea, semana passada o preço do frete de Sorriso a Santos supera o recorde de R$ 320,00/tonelada da safra passada, fechando a semana com um valor de R$ 330,00/tonelada, para efeito de comparação, o valor do frete é 36,6% do preço da soja disponível no mercado mato-grossense. “Outro fator preocupante é que o pico de R$ 320,00/tonelada foi alcançado no ano passado na primeira semana de março, e já na terceira semana de fevereiro esse valor foi ultrapassado. Desta forma, mais um ano o produtor tem sua margem de lucro diminuída devido à falta de infraestrutura no país”.
 
Conforme o Imea, no mercado interno mato-grossense, os preços da saca de soja praticados entre os dias 17 a 21, apresentaram-se relativamente estáveis, ora favorecidos ou desfavorecidos pelas cotações de Chicago e do dólar. A média semanal de preços no Estado foi de R$ 54,00/sc.
 
Já em relação ao preço futuro, com o feriado na segunda-feira passada, houve apenas quatro dias de pregão em Chicago. “Porém, foram suficientes para fechar a semana com uma elevação de mais de 33 pontos, cotado a US$ 13,17/bushel. Mesmo com expectativas de elevação na área semeada da próxima temporada nos EUA, o preço se elevou, focado no clima instável da América do Sul”.
Fonte: