Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

13/03/2014

Em fevereiro, IBGE prevê safra 1,1% maior que a de 2013

Estimativa fevereiro 2014
190,3 milhões de toneladas
 
Variação fevereiro 2014/janeiro 2014
-1,8% (-3,6 milhões de toneladas)
 
Variação safra 2014/safra 2013
1,1% (+2,1 milhões de toneladas)
 
A segunda estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas totalizou 190,3 milhões de toneladas, superior 1,1% à obtida em 2013 (188,2 milhões de toneladas). A previsão de fevereiro em relação a janeiro caiu em 3,6 milhões de toneladas (-1,8%). A estimativa da área a ser colhida em 2014, de 55,1 milhões de hectares, apresentou acréscimo de 4,3% frente à área colhida em 2013 (52,8 milhões de hectares). O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo, que somados representaram 92,5% da estimativa da produção e responderam por 85,5% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior houve acréscimos na área de 1,0% para o arroz, 6,4% para a soja e decréscimo de 1,2% na área a ser colhida com o milho. No que se refere à produção, os acréscimos foram de 6,3% para o arroz e de 8,3% para a soja. Para o milho houve diminuição de 7,0% quando comparado a 2013.
 
A publicação completa da pesquisa pode ser acessada na página www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/agropecuaria/lspa.
 
Entre as Grandes Regiões, o volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresentou a seguinte distribuição: Centro-Oeste, 78,9 milhões de toneladas; Sul, 70,7 milhões de toneladas; Sudeste, 18,7 milhões de toneladas; Nordeste, 16,7 milhões de toneladas e Norte, 5,2 milhões de toneladas. Comparativamente à safra passada, foram constatados incrementos de 0,6% na Região Centro-Oeste, 40,1% na Nordeste e 5,6% na Norte. As Regiões Sul e Sudeste apresentaram, respectivamente, diminuição de 3,2% e 5,6% em relação à produção do ano anterior. Nessa avaliação para 2014, o Mato Grosso liderou como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 23,9%, seguido pelo Paraná (17,6%) e Rio Grande do Sul (16,2%), que somados representaram 57,7% do total nacional previsto.
 
Estimativa de fevereiro em relação a janeiro
 
No levantamento de fevereiro, destacaram-se as variações nas seguintes estimativas de produção, comparativamente ao mês de janeiro: café arábica (-1,4%), café canephora (-2,1%), cebola (3,9%), feijão 2ª safra (-0,9%), milho 1ª safra (-1,9%) e soja (-3,1%).
 
Estimativa de fevereiro em relação à produção obtida em 2013
 
Dentre os 26 principais produtos, 12 apresentaram variação percentual positiva na estimativa de produção em relação ao ano anterior: algodão herbáceo em caroço (11,9%), arroz em casca (6,3%), batata-inglesa 1ª safra (1,4%), batata-inglesa 2ª safra (6,9%), café em grão - canephora (11,9%), cana-de-açúcar (0,7%), feijão em grão 1ª safra (61,9%), feijão em grão 2ª safra (10,4%), mamona em baga (367,3%), mandioca (10,3%), soja em grão (8,3%) e sorgo em grão (6,3%). Com variação negativa foram 14 produtos: amendoim em casca 1ª safra (8,0%), amendoim em casca 2ª safra (15,7%), aveia em grão (9,2%), batata-inglesa 3ª safra (2,3%), cacau em amêndoa (4,2%), café em grão - arábica (3,2%), cebola (2,4%), cevada em grão (17,3%), feijão em grão 3ª safra (3,6%), laranja (0,7%), milho em grão 1ª safra (3,4%), milho em grão 2ª safra (9,5%), trigo em grão (15,5%) e triticale em grão (13,0%).
 
Os incrementos de produção mais significativos, em números absolutos, na comparação com a safra 2013, ocorreram para os produtos: soja, cana-de-açúcar e mandioca. Nesta comparação anual, as maiores variações negativas em números absolutos foram observadas para o milho 2ª, milho 1ª safra e trigo.
 
ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) – A produção de 3,8 milhões de toneladas é 11,9% maior que a de 2013 (3,4 milhões de toneladas), devido principalmente ao aumento da área plantada (11,7%), percentual atribuído às boas perspectivas de preços para o produto na safra a ser colhida em 2014. O Mato Grosso é o principal produtor participando com 59,8% da produção nacional, com aumentos de 23,8% na área plantada e a ser colhida e 22,1% na produção, que deve totalizar 2,3 milhões de toneladas.
 
ARROZ (em casca) – A safra nacional, de 12.499.161 toneladas, deverá ser 6,3% maior que a obtida em 2013. O rendimento médio estimado, de 5.268 kg/ha, é superior ao do ano anterior (5,2%) proporcionando este acréscimo na produção, apesar da redução de 0,2% da área plantada. O Rio Grande do Sul é o maior produtor nacional, com 67,8% de participação no total. O rendimento médio de 7.582 kg/ha é o maior do País, assim como a área a ser colhida, de 1.117.675 ha.
 
CAFÉ TOTAL (em grão) – A safra nacional de café a ser colhida em 2014, totaliza, pela estimativa realizada em fevereiro, 2.922.303 toneladas, ou 48,7 milhões de sacas de 60kg de café em grãos beneficiados, consideradas as duas espécies em conjunto (arábica e canephora), acréscimo de 0,1% em relação à safra colhida de 2013. A safra de 2014 aponta para um ano diferente dos últimos 21 anos, se confirmadas as atuais estimativas negativas para o café arábica (que participa com 75,2% da produção), devido aos dois anos seguidos de safra baixa (2013 e 2014). De 1992 até 2013, a alternância de safras foi registrada, sem interrupções, conforme disponível na série histórica da PAM (Produção Agrícola Municipal - IBGE). Os anos pares foram de safra cheia e os ímpares de safra curta. Neste levantamento de fevereiro, a “inversão da alternância”, se confirmada, se dará através da redução da área total ocupada (-1,3%) e do rendimento médio esperado (-1,4%) em relação às estimativas de janeiro, decorrentes da grande crise de preços internacionais que se agravou a partir de novembro de 2012 e persistiu até o final de 2013, dada a incompatibilidade de preços baixos ao produtor e custos altos de produção. Há registros pontuais de queda de rendimento médio, pois as altas temperaturas e a baixa pluviosidade neste início de 2014 são ocorrências negativas nesta época crucial de “enchimento” dos grãos.
 
CANA-DE-AÇÚCAR – A produção nacional de cana-de-açúcar estimada para 2014 apresenta um crescimento de 0,7% em relação a 2013, alcançando 743,1 milhões de toneladas. A área destinada à colheita no ano apresenta um acréscimo de 0,4%. O rendimento médio deverá aumentar 0,3%. Na Região Sudeste concentra-se 65,5% da produção nacional. O estado de São Paulo, responsável por 53,8% da produção brasileira, apresenta decréscimo estimado em 1,2% na produção em relação à obtida em 2013. A estiagem verificada neste início de ano será mais bem avaliada ao longo do desenvolvimento vegetativo.
 
FEIJÃO (em grão) 1ª safra – A 1ª safra nacional de feijão está estimada em 1.767.135 toneladas, o que representa um crescimento de 61,9% frente a produção de 2013. Este resultado é reflexo do aumento de 19,4% na área plantada e de 22,2% no rendimento médio. Os maiores produtores desta safra de feijão são Paraná (23,9%), Minas Gerais (12,2%) e Ceará (12,0%).
 
MANDIOCA (raízes) – Para 2014 a produção estimada é de 23.381.402 toneladas, variação positiva de 10,3% na estimativa de produção de 2014 quando comparada a 2013. A área total decresce 1,5%. A estiagem na Região Nordeste, que persistiu por dois anos, impediu a recuperação da oferta de raízes até o final de 2013. Entretanto, a Região apresenta perspectivas iniciais positivas para 2014, na área a ser colhida (+7,7%) e no rendimento médio (+22,6%).
 
MILHO (em grão) – Somadas as duas safras, a produção nacional está estimada em 74.945.373 toneladas, 7,0% inferior ao total colhido em 2013, que foi de 80.547.039 toneladas, com decréscimo estimado de 1,2% na área a ser colhida. Apesar do decréscimo, o Paraná e Mato Grosso relatam plantios com alto nível tecnológico. A 1ª safra, estimada em 33.013.136 toneladas apresenta decréscimo estimado de 3,4%, com área plantada inferior em 0,6%. Para a 2ª safra está estimada produção de 41.932.237 toneladas, 9,5% inferior a 2013, embora superior à 1ª safra. O Mato Grosso deverá apresentar queda de 19,0% na produção do 2ª safra. Mantidas estas estimativas, este poderá ser o terceiro ano consecutivo em que se observará o maior volume de produção da 2ª safra em comparação ao da 1ª safra.
 
SOJA (em grão) – A soja apresenta estimativa de aumento de produção de 8,3% em relação a 2013, representando novo recorde. A área plantada foi maior 6,2%, a área destinada à colheita superou a do ano anterior em 6,4% e o rendimento médio deverá passar dos 2.932 kg/ha obtidos na safra anterior para os atuais 2.984 kg/ha, um aumento de 1,8%. As boas perspectivas do mercado internacional e os preços praticados em 2013 justificam estes acréscimos para 2014. O principal produtor de soja é o Mato Grosso, que participa com 30,0% da produção nacional (26,5 milhões de toneladas). A safra do estado enfrenta excesso de chuvas no médio norte, maior região produtora, o que prejudica a colheita. Há também ocorrência de ferrugem asiática, em final de ciclo.
 
O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) é uma pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras dos principais produtos agrícolas, cujas informações são obtidas por intermédio das Comissões Municipais (COMEA) e/ou Regionais (COREA); consolidadas em nível estadual pelos Grupos de Coordenação de Estatísticas Agropecuárias (GCEA) e posteriormente, avaliadas, em nível nacional, pela Comissão Especial de Planejamento Controle e Avaliação das Estatísticas Agropecuárias (CEPAGRO) constituída por representantes do IBGE e do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (MAPA).
 
Em atenção a demandas dos usuários de informação de safra, os levantamentos para Cereais, Leguminosas e Oleaginosas (caroço de algodão, amendoim, arroz, feijão, mamona, milho, soja, aveia, centeio, cevada, girassol, sorgo, trigo e triticale) foram realizados em estreita colaboração com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), órgão do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), continuando um processo de harmonização das estimativas oficiais de safra, iniciado em outubro de 2007, para as principais lavouras brasileiras.
 
Fonte: