Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

25/03/2014

SLC amplia a receita agrícola do oeste da Bahia e Brasil em R$ 2 bilhões

Surgida após a venda de uma fábrica de   tratores  e máquinas agrícolas em 1999 para a gigante   do setor  John Deere, a SLC Agrícola, da família gaúcha Logemman,  já  produz  mais de 340 mil hectares de soja, milho e algodão, sendo uma das principais empresa produtoras de  grãos do País. Suas terras estão distribuídas pelos Estados da Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do  Sul, Goiás, Maranhão e Piauí. Cerca de  um terço de suas receitas  se originam de suas atividades  no Oeste baiano, em fazendas em São Desiderio, Jaborandi, Formosa do Rio Preto,  Correntina, Barreiras e outros municípios.

Não satisfeita com este tamanho,  vai  dobrar sua área de plantio para  algo como 700 mil hectares  na safra 2020/2021, e aí  se tornará uma das  maiores  empresas produtoras  de soja, milho e algodão do planeta. O  locus preferencial dessa ousada expansão  será o universo dos mesmos Estados já citados. A Bahia será fortemente contemplada  neste plano, que prevê  aumentar as receitas agrícolas para mais de  2 bilhões  de reais anuais.

Sua estratégia se  apoia  no incremento da  produtividade das fazendas, aquisição de mais terras,  parcerias e na atração de investidores internacionais. O fato de ser uma empresa com ações na Bolsa de São Paulo facilita sobremodo a captação de recursos nos mercados.  Seus executivos passam boa parte  do ano em visitas às fazendas, a São Paulo, a Nova York, onde  está parte de seus acionistas, e a países asiáticos, onde se concentra parte importante dos clientes.

Em relação à Ásia, a SLC recebeu recentemente aportes  de 30 milhões de reais da trading japonesa Mitsui para administrar 21 mil hectares em São Desiderio, na Bahia, um dos  municípios com maior PIB agropecuário do país, segundo ranking do IBGE. Cabe lembrar que a Mitsui já manifestou  reiteradamente suas intenções de investir em território baiano e levar os grãos para os mercados asiáticos. A lamentar apenas que o referido grupo não pode ser majoritário em suas parcerias, em vista  da legislação restritiva para estrangeiros na área rural. Mas a parceria  SLC/MITSUI foi fechada para durar “99 anos”, conforme afirmação de Aurélio Pavinato, presidente da empresa,  à revista DINHEIRORURAL,  edição de março.

Além do grande estoque de terras em nosso Estado,  a SLC tem atividades de pesquisa na fazenda Panorama, em Correntina,  usinas de beneficiamento de algodão, armazéns, etc.  Portanto, trata-se de empreendimento de  inegável  interesse estratégico para a Bahia,  por contemplar em seu portfolio atividades de produção, inovação, infraestrutura  e acesso a importantes mercados e capitais da Ásia.​

Fonte: