Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

23/04/2014

Plantio de milho nos EUA atrasa mais com o frio

As baixíssimas temperaturas e alta umidade do solo continuam atrasando o lançamento das sementes de milho em solos norte-americanos. Relatório de acompanhamento de plantio e condições das lavouras, divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda) na tarde desta segunda-feira (21), aponta que 6% da área destinada ao cereal foram efetivamente semeadas até o último domingo. Com isso, o atraso nos trabalhos de campo, que eram de 3 pontos porcentuais na semana passada, agora é de 8 pontos porcentuais em relação à média dos últimos cinco anos. Os produtores norte-americanos conseguiram plantar, historicamente, 14% da área total da temporada nesta penúltima semana de abril.

O clima frio e úmido é que tem impedido a entrada das máquinas nas plantações do Hemisfério Norte. De acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos (Noaa, na sigla em inglês), na última semana, as temperaturas mínimas ficam entre -2ºC e -6º abaixo da média para esta época do ano. O volume de chuvas, no entanto, não tem sido alto no país. Há inclusive uma “mancha” em boa parte das áreas de Iowa, Illinois, Missouri e Indiana em que as precipitações estão entre 15 milímetros e 25 milímetros abaixo do normal.

O plantio de algodão está ainda mais lento que o do milho, conforme o Usda. Na última semana, as plantadeiras elevaram o índice nacional em somente 1% em relação à semana anterior. Até domingo, 9% da área da pluma foram semeados, contra 10% em 2013 e 12% na média de cinco anos.

As lavouras de trigo de inverno, apesar de estarem com desenvolvimento atrasado, estão no padrão para esta época. Segundo o Usda, 5% das plantações estão em excelentes condições, mesmo índice da média histórica e 1 ponto acima dos 4% apontados na semana passada. Com isso, o indicador de lavouras em boas condições caiu de 30% para 29% nesta semana.

O relatório do órgão norte-americano influencia as cotações dos grãos na Bolsa de Chicago. Clique aqui e confira o comportamento e a análise sobre os preços.
Fonte: