Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

25/04/2014

RS registra maior safra agrícola da história

Depois do resultado expressivo da safra passada, o Rio Grande do Sul irá atingir um novo patamar na produção de grãos. Com base no levantamento realizado pela Emater/RS-Ascar neste mês de abril, a safra agrícola 2013/2014 supera a barreira de 30 milhões de toneladas, podendo alcançar 30,7 milhões de toneladas. A maior safra gaúcha era a de 2011, quando foram colhidas 28,6 milhões toneladas. “Pela primeira vez o Rio Grande supera a barreira de 30 milhões de toneladas. É bom ver que as ações do nosso governo dão o suporte necessário para que o setor produtivo atinja resultados tão expressivos”, comemorou Tarso Genro ao mencionar o Plano Safra Gaúcho, Mais Água Mais Renda e as políticas de apoio à Agricultura Familiar como algumas das ações fundamentais para a conquista.

Com uma área total cultivada de 8,16 milhões de hectares, deve haver um crescimento na produção de aproximadamente 9,2% em relação à safra anterior, ou seja 2,5 milhões de toneladas a mais. O que representa um impacto de R$ 24,1 bilhões na economia.

Como a colheita ainda não foi totalmente concluída, os fatores climáticos ainda podem fazer pequenas alterações nos números finais dessa safra. Ao comparar a expectativa atual com a safra passada, apresentam-se os seguintes resultados por cultura:

Soja – Aumento de 5,46% na área cultivada (4,98 milhões ha); aumento de 3,57% na produção (13,21 milhões t) e redução de 1,78% na produtividade (2,65 mil kg/ha). Impacto econômico de R$ 13,69 bilhões.

Milho – Redução de 9,92% na área cultivada (932,04 mil ha); redução de 0,78% na produção (5,30 milhões t), mas aumento de 10,13% na produtividade (5,69 mil kg/ha). Impacto econômico de R$ 2,23 bilhões.

O Estado plantou, também, cerca de 350 mil hectares com milho destinado à produção de silagem. Deve-se colher aproximadamente 12,4 milhões de toneladas de massa verde destinada à produção leiteira. Aproximadamente ¼ da área total dos dois tipos de milho (grão e silagem – 1,25 milhão ha) foi cultivada com sementes oriundas do Programa Troca-Troca do Governo do Estado.

Arroz – Aumento de 2,89% na área cultivada (1,11 milhão ha); aumento de 8,25% na produção (8,77 milhões t) e aumento de 5,21% na produtividade (7,88 mil kg/ha). Impacto econômico de R$ 5,97 bilhões.

Feijão 1ª Safra – Redução de 5,11% na área cultivada (50,21 mil ha), aumento de 15,42% na produção (78,41 mil t) e aumento de 21,64% na produtividade (1,56 mil kg/ha). Impacto econômico de R$ 182,25 milhões.

Feijão 2ª Safra – Aumento de 20,59% na área cultivada (23,34 mil ha); aumento de 32,59% na produção (35,15 mil t) e aumento de 9,45% na produtividade (1,50 mil kg/ha). Impacto econômico de R$ 81,71 milhões.

A safra do trigo teve aumento de quase 80% na produção (3,35 milhões t). Impacto econômico de R$ 1,96 bilhão.

O bom resultado do levantamento dos dados - colhidos entre 7 e 14 de abril de 2014 - se deve a criação de políticas públicas que garantem ao produtor acesso a crédito abundante (com baixa taxa de juros) e a programas diversos. “Dessa forma, os agricultores investem em novas tecnologias, como implementos, insumos e máquinas mais eficientes no preparo do solo e que facilitam e agilizam o trabalho no campo, até mesmo nas pequenas propriedades rurais. E também investem no melhoramento genético, como o do arroz, realizado pelo Irga”, ressaltou o presidente da Emater/RS e superintendente-geral da Ascar Lino De David.

De Davi destaca que o Governo também garantiu a ampliação de recursos para a assistência técnica e extensão rural, que permitiu disponibilizar mais conhecimento e informação, além de capacitar e qualificar cerca de 250 mil famílias de agricultores familiares em todo o Estado.

As boas condições climáticas e normais, salvo alguns episódios isolados e pontuais de falta de água ou calor excessivo, também são responsáveis pela expectativa de safra histórica. A falta de chuvas da segunda metade de dezembro afetou algumas lavouras de milho entre Passo Fundo e Ijuí, bem como o intenso calor registrado em fevereiro, afetou mais a cultura da soja, contribuindo para uma pequena variação nessa expectativa.

Para o presidente da Emater/RS e superintendente-geral da Ascar, Lino De David, a maioria desses fatores só estão sendo possíveis pela reestruturação das estruturas de Estado. “Como a criação da SDR, a recuperação da Emater/RS-Ascar, do Irga, da Fepagro e da defesa agropecuária do Estado, que são capazes de interferir de forma decisiva na base produtiva do Rio Grande do Sul”, avaliou.

SDR
Criada em janeiro de 2011, ao completar três anos de atuação em todo o Estado, a SDR soma diversas ações e mais de 15 programas para o desenvolvimento rural sustentável e a inclusão social de agricultores familiares, assentados da reforma agrária, pescadores artesanais, piscicultores, indígenas, quilombolas e cooperativas. Nesse período, foram investidos mais de R$ 900 milhões e até o final do ano, os investimentos ultrapassarão R$ 1,4 bilhão.

De acordo com o titular da pasta, Elton Scapini, os recursos são destinados para políticas de fortalecimento dos sistemas produtivos. “Há fortes incentivos à produção, industrialização, comercialização e abastecimento. Ampliação da assistência técnica, capacitação de agricultores e técnicos, incentivo ao cooperativismo, crédito subsidiado, implantação de políticas de redução da pobreza extrema no meio rural e medidas de socorro emergencial por ocasião da estiagem também recebem recursos do orçamento da SDR”, elencou o secretário.

Para o presidente De David, essa não é uma secretaria de um único grande projeto, mas de milhares de pequenos projetos executados pela Emater/RS-Ascar. “É muito difícil e complicado fazer políticas públicas para o pequeno e médio produtor, por isso até agora elas não existiam. Mas hoje elas existem e beneficiam 250 mil famílias de pequenos agricultores no RS”, reforçou.

Scapini afirma que as políticas desenvolvidas pela SDR estão promovendo uma revolução no meio rural gaúcho, com o aumento da produção (confirmada nessa expectativa de maior safra da história), inclusão social, melhoria da renda e sustentabilidade ambiental.

Plano Safra RS
A grande maioria das ações desenvolvidas pela SDR estão inseridas no Plano Safra RS, ideia implementada pelo Governo do Estado, em 2011, para levar políticas com abrangência no meio rural. Nos dois planos - 2011/2012 e 2012/2013 – foram disponibilizados R$ 4,6 bilhões pelo sistema bancário estadual em operações de investimentos, custeio e comercialização. Foram beneficiadas, diretamente, mais de 300 mil famílias de agricultores familiares (algumas beneficiadas mais de uma vez) nos dois planos.
Fonte: