Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

19/05/2014

Menos de um quinto à venda

Com avanço das vendas fica a expectativa por parte dos produtores de preços melhores para os próximos meses de entressafra em Mato Grosso.

Demorou, mas as vendas de soja da safra 2013/14 aceleraram o ritmo em Mato Grosso. Mesmo com a colheita encerrada desde o início de abril, muitos produtores ainda aguardavam bons preços para voltar a comercializar o grão, já que parte da produção é tradicionalmente negociada antes mesmo de ser plantada, como forma de adquirir os insumos da lavoura. Com esse avanço, mais de 21,3 milhões de toneladas (t) estão vendidas no Estado, restando menos de um quinto da produção para zerar o que ainda está nas mãos do produtor. 

O volume movimentado impressiona já que até o início da nova safra nacional, que coincide com a colheita dos Estados Unidos, em setembro, há uma janela temporal que pode melhorar ainda mais as cotações nos próximos meses. Conforme o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), nesta safra o Estado produziu cerca de 26,15 milhões t. 

As negociações até o início de maio comprometeram 81,4% de todo o grão produzido em Mato Grosso nesta temporada. Como apontam os analistas do Imea, a comercialização evoluiu 6 pontos percentuais (p.p.) em relação ao mês anterior e apresenta apenas 1,6 p.p. de atraso no comparativo com 12/13 no mesmo período. “Apesar disso, em números absolutos o volume comercializado do ciclo 13/14 é 8,8% superior devido à maior produção estadual da oleaginosa, 10,9% superior em relação à safra passada”. 

O preço médio mensal registrado em abril foi o melhor desde o início das negociações desta safra, de R$ 55,17/sc, elevando o preço médio ponderado pela comercialização para R$ 48,02/sc. Até o final de novembro de 2013 48,8% da produção estadual da oleaginosa haviam sido negociados antecipadamente, abaixo dos 67,7% da soja 12/13 negociada até o mesmo período de 2012. “Entretanto, a partir de dezembro os preços mais atrativos incentivaram as negociações”. 
Fonte: