Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

04/06/2014

Produção brasileira de grãos será decisiva para conter a fome no mundo

Em palestra para os alunos da primeira turma do curso da Faculdade CNA de Tecnologia do Agronegócio, o Secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, o engenheiro agrônomo Caio Tibério Dornelles da Rocha, apresentou um resumo do Plano Agrícola e Pecuário (PAP-2014/2015) e destacou a importância do Brasil, no decorrer dos próximos anos, “para ajudar a conter a fome no mundo, já que uma em cada oito pessoas passa fome ou se alimenta de forma inadequada”.

O Brasil, nos dias de hoje, “é uma das grandes potências alimentares do mundo. Atingiu esta posição produzindo 191 milhões de toneladas de grãos na safra 2013/2014, com elevados índices de produtividade e preservando 68 milhões de hectares de terras”. Na próxima safra, a produção estimada é de 200 milhões de toneladas, um crescimento de 4,6% em relação ao período anterior.

Caio Tibério destacou que o PAP 2014/2015 vai disponibilizar recursos financeiros de R$ 156 bilhões para o produtor agrícola com destaque para o seguro rural e os incentivos destinados à ampliação dos investimentos e armazenagem e irrigação.

Competitividade e produtividade - A capacidade e a competitividade do agronegócio brasileiro, segundo Caio Tibério, é uma realidade incontestável. O país exporta grãos e outros produtos agrícolas para mais de 200 países, com destaque para a China, União Europeia (UE) e Estados Unidos. Os chineses, explicou ele, respondem por 23% das exportações de grãos brasileiras, enquanto a UE, participa com outros 22%.

Os números da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) indicam que existem hoje, no mundo, perto de 842 milhões de pessoas passando fome, sendo 24,5% deste total no continente africano. De acordo com a FAO, a produção mundial de grãos deverá crescer 20% até 2020. E o Brasil terá de participar deste aumento global, crescendo o dobro da média prevista para os demais países: 40%.​
Fonte: