Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

26/06/2014

Lavouras avançam sobre chapada no Piauí

“O agronegócio no Piauí vem expandindo seus horizontes. Nos 120m quilômetros da rodovia Transcerrados, que corta a Serra do Quilombo, por exemplo, a paisagem é de profundas mudanças, com o avanço das lavouras sobre a chapada. A área ocupada pela agricultura praticamente quintuplicou no Estado nos últimos dez anos”. Quem destaca a novidade é o advogado Carlos Yury, da B2L Investimentos.

Dados recentes da Conab apontam a presença crescente da Região Nordeste no desenvolvimento do agronegócio brasileiro. Influenciado pelo comportamento da produção na região da “Matopiba” (formada pelos Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia), o Nordeste apresentou expansão de 7,8% na área plantada, com produção de 6.557,3 mil toneladas na safra atual. Isso representa um aumento recorde de 23,8% em comparação com a safra anterior.

“Se no início a produção agrícola estava concentrada na cidade de Uruçuí, hoje é Bom Jesus, a 635 km da capital Teresina, que vem se consolidando como nova fronteira agrícola. Em sete anos houve aumento de produtividade com a mecanização da produção. Para se ter uma ideia, uma feira de negócios agrícolas realizada no ano passado em Bom Jesus movimentou aproximadamente R$ 200 milhões em negócios, em uma região onde atualmente são cultivados mais de 430 mil hectares de soja, milho, arroz e algodão”, conta Yury.

“Projeções indicam que em 2022/23, a região MATOPIBA vai colher 18 milhões de toneladas de grãos. A safra crescerá 22%, enquanto a área plantada aumentará apenas 15%. A nova fronteira agrícola do Brasil tem uma característica única: tempo seco constante, dependente de projetos de irrigação para incremento da produtividade da lavoura”, explica ele. 

“Tamanha produtividade alcançada com a ajuda da tecnologia, entretanto, encontra barreiras para o escoamento dos produtos. Do lado do Piauí, por exemplo, rodovias deficientes e falta de ferrovias são um obstáculo. Além disso, o armazenamento é insuficiente para dar conta da quantidade de grãos”, ressalva o advogado.
Fonte: