Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

14/08/2013

Safras estima aumento de 10% na safra de soja 13/14 da América do Sul

Por Laiz de Souza
 
SÃO PAULO - A América do Sul poderá produzir 160 milhões de toneladas de soja na safra 2013/14, 10 por cento a mais ante o recorde da temporada anterior, estimou a consultoria Safras & Mercados em relatório divulgado nesta terça-feira (13).
 
A avaliação considera uma tendência de aumento de área plantada, de 4 por cento, para 54 milhões de hectares, e de produtividade, de 5 por cento ante a temporada anterior, com uma normalidade climática.
 
"Para esta nova safra... segue a neutralidade climática, o que aproxima o clima geral da normalidade...", afirmou a consultoria.
 
Nas outras duas variáveis relevantes para a produtividade, disse a Safras, "há novamente a tendência da positiva ultrapassar a negativa".
 
"De um lado o avanço na utilização de insumos nas lavouras, relacionado com a melhora no nível de capitalização dos produtores. E de outro a utilização de áreas novas ou menos nobres, que atuaria limitando o potencial produtivo."
 
A safra 13/14 começa a ser plantada em setembro, pelo Centro-Oeste brasileiro, principal região produtora do Brasil.
 
O Brasil produziria mais da metade da safra estimada para a América do Sul. Em levantamento divulgado ao final de julho, a Safras previu uma colheita de 88,17 milhões de toneladas para o país.
 
"Com esse positivo sentimento para a oferta, e considerando a firme expectativa para a demanda, temos espaço para crescimento em 8 por cento no processamento na América do Sul, para chegar a 86 milhões de toneladas, e de 9 por cento nas exportações de soja, para alcançar os 64 milhões de toneladas", acrescentou.
 
Em relação à produtividade, a expectativa da Safras é de um rendimento médio potencial de 2.963 kg por hectare, que, em caso de confirmação, superaria os 2.825 kg da safra atual em 5 por cento, e o recorde de 2.887 kg da safra 2009/10 em 3 por cento.
 
 
Fonte: