Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

26/08/2014

Fertilidade do solo pode auxiliar no manejo de pratylenchus em soja

As dificuldades para o manejo dos nematoides no Brasil e seu impacto na produção de soja foram tema do Congresso Brasileiro de Fitopatologia, realizado de 17 a 22 de agosto de 2014, no Centro de Eventos, de Londrina (PR). No Brasil, os nematoides mais prejudiciais à soja têm sido os formadores de galhas, o de cisto, o das lesões radiculares ou pratylenchus e o reniforme.
 
O nematoide das lesões radiculares ou pratylenchus, por exemplo, está disseminado em todas as regiões produtoras, mas é um problema especialmente no Brasil Central, que possui áreas com solos de textura arenosa (menos de 15% de argila). Durante o evento, o pesquisador da Embrapa Soja, Júlio Franchini, abordou como a fertilidade do solo pode colaborar no manejo integrado de pratylenchus em soja.
 
Segundo Franchini, a fertilidade do solo influencia tanto na predisposição das plantas a doença, quanto na sobrevivência, disseminação, infecção, e reprodução de patógenos. Particularmente no caso de nematoides, Franchini diz que os resultados recentes indicam que o manejo adequado da fertilidade do solo pode reduzir as perdas de produtividade da soja em até 80%. "Os resultados mostraram que a correção da acidez com a calagem, elevando o pH e os níveis de Ca e Mg representa uma importante estratégia para o manejo integrado do pratylenchus já que uma planta melhor nutrida apresenta maior capacidade para suportar seu ataque", destaca.
 
As perdas provocadas pelos nematoides variam de acordo com a infestação do patógeno no solo, conforme a distribuição de chuvas e também com o nível de suscetibilidade da cultivar utilizada pelo agricultor. A Embrapa estima que aproximadamente 5% da produção anual da soja brasileira é perdida pela ação dos nematoides.
 
A pesquisadora Neucimara Ribeiro explicou que o nematoide de cisto, detectado no Brasil na safra de 1991/92, atualmente está presente em praticamente todas as regiões produtoras. Ele pode sobreviver no solo por mais de oito anos e, por isso, é difícil sua erradicação. O nematoide penetra nas raízes da planta e dificulta a absorção de água e nutrientes, reduzindo o tamanho da planta e o número de vagens, o que afeta a produção.
 
Fonte: