Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

01/10/2014

Roraima retoma produção de soja com expectativa de colher 50 mil t

Após enfrentar barreiras como a necessidade de regularização fundiária e o alto risco agropecuário de febre aftosa, o Estado de Roraima chegou a seu melhor momento para retomada da produção de grãos e para o desenvolvimento da agropecuária em geral. É o que afirma em nota o presidente em exercício da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de Roraima (Faerr), Silvio de Carvalho. O próximo passo é deixar de depender de energia exclusivamente proveniente da Venezuela.

Com 18 mil hectares cultivados, o Estado tem potencial para colher 50 mil toneladas do grão na safra atual (2014/15), crescimento de 100% sobre o exercício anterior.

“Com energia confiável, áreas regularizadas e risco agropecuário da febre aftosa rumando para o status "livre com vacinação", a soja está chegando a Roraima no melhor momento. Há expectativa de crescimento muito acelerado e estamos muito otimistas. É excelente abrir a safra diante desse cenário”, destaca Carvalho.

Alvaro Luis Calegari, secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Roraima (Seapa) lembra que os 4 milhões de hectares de cerrado existentes no Estado já eram utilizados para pecuária extensiva. E que a vinda de pesquisadores do Rio Grande do Sul, na década de 1970, ajudou a fomentar a migração de produtores de diversas regiões produtivas do país para o Norte, contribuindo assim para o desenvolvimento da região. “Nosso potencial estava adormecido. Com a evolução e celeridade da comunicação e a melhoria das condições das estradas, Roraima tem forte tendência para que se torne o celeiro da Amazônia, com baixo custo de produção e logística”, lembra Calegari.

Depois de atingir 20 mil hectares em 2005, restrições de natureza fundiária reduziram o cultivo a pouco mais de 1 mil hectares. Para a safra 2014/15 a intenção dos produtores é mais que dobrar a extensão cultivada e atingir 40 mil hectares. A meta para 2019 é ainda mais audaciosa, diz nota da Faerr. “A depender das condições de mercado, existe um ambiente favorável para alcançar 120 mil hectares“.

 

Fonte: