Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

30/10/2014

Soja foca demanda e fecha com mais de 30 pts de alta em Chicago

Com uma conjunção de fatores positivos atuando, os preços da soja praticados na Bolsa de Chicago encerraram os negócios desta quarta-feira (29) com mais de 30 pontos de alta. Essa foi a terceira sessão consecutivas de boas altas para as cotações da oleaginosa, com os negócios apresentando mais um rally essa semana. 

Assim, os principais vencimentos subiram mais de 3%, com o contrato novembro/14, referência para a safra norte-americana, fechando em US$ 10,43, enquanto o vencimento maio/15 encerrou o dia a US$ 10,62. Na primeira posição, segundo analistas, o mercado está próximo de romper a resistência dos US$ 10,50 e, caso isso aconteça, o próximo patamar a ser alcançado deverá ser o de US$ 10,70. 

Ao mesmo tempo, as cotações do farelo de soja também registraram mais uma sessão de fortes ganhos pelo terceiro dia consecutivo essa semana. Os contratos mais negociados registraram ganhos entre 2,76 e 5,89% na Bolsa de Chicago, frente a um intenso movimento da demanda pelo produto. 

Nos últimos 30 dias, os ganhos acumulados pela commodity são de 25%, enquanto os preços da soja têm ganho acumulado, no mesmo período, de cerca de 13%, respondendo à esse movimento, segundo explicou o analista de mercado Camilo Motter, da Granoeste Corretora. "A raíz disso está nos preços da carne, com forte estímulo na produção de suínos e aves, além da produção de carne de gado nos EUA, onde se usa muito a ração a base de soja e milho para os bovinos", diz o analista. 

Paralelamente, há ainda os produtores de soja, na maior parte das origens, reticentes em efetivar novas vendas, aguardando e apostando em melhores oportunidades de comercialização mais adiante. Nos Estados Unidos, as vendas estão em um ritmo menor do que o registrado em anos anteriores e o país enfrente ainda problemas com logística esse ano, dado o tamanho da safra norte-americana. 

"Temos trens e barcaças muito tomadas pelo transporte de outros produtos, portanto, os preços de fretes subiram muito e isso também é um fator de alta. Os produtores muito capitalizados com os bons preços dos últimos quatro anos continuam retendo as vendas, porém, diante dos atuais preços, podem voltar a realizar alguns negócios" explica. 

Ao lado desses fatores, segundo explicou o consultor de mercado Carlos Cogo, há ainda o reflexo de uma estratégia "errada" por parte dos compradores, que apostavam que os preços não voltariam a subir aos atuais níveis que vêm sendo observados. Com essas novas altas, os compradores voltaram ao mercado e provocaram essa correria para aquisição tanto da matéria-prima como do derivado. 

Fundos de Investimentos - Além disso, o mercado observa ainda uma intensa participação de fundos de investimentos no mercado. A movimentação desses fundos, principalmente com a compra de posições, também contribuem para o avanço das cotações, no entanto, acentuam expressivamente a volatilidade dos negócios. 

Os investidores buscam garantir lucro rápido e ao se movimentarem acabam tirando a direção do mercado, embora, o que se observa agora, ainda segundo Camilo Motter, é um momento positivo bem consolidado para os preços da soja. No entanto, pontuais realizações de lucros podem acontecer, justamente, em função dessa maciça presença dos fundos saindo de suas posições. 

Mercado Interno - No Brasil, os preços não mostraram uma direção bem definida. No porto de Rio Grande, a soja disponível fechou o dia subindo 0,79% e ficou em R$ 64,00 por saca, enquanto o produto futuro subiu 2,25% e terminou o dia valendo R$ 63,50. No porto de Paranaguá, o valor da soja futura se manteve estável em R$ 61,50. No interior do país, os preços não exibiram um caminho comum e variaram, em partes, em função das necessidades de cada região.
 
Fonte: