Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

14/11/2014

Mato Grosso e Goiás alteram legislação como medida fitossanitária contra ferrugem da soja

Os estados de Mato Grosso e Goiás estabeleceram novas medidas fitossanitárias para auxiliar na prevenção e no controle da ferrugem asiática da soja. A revisão nas legislações estaduais vigentes tem o objetivo de reduzir a janela de semeadura da soja para atrasar a resistência do fungo causador da ferrugem aos fungicidas.
 
A ferrugem asiática da soja, relatada pela primeira vez no Brasil em 2001, é a doença de maior impacto econômico para a cultura. O custo médio do controle da doença com fungicidas é estimado em cerca de US$ 2 bilhões por safra, segundo o Consórcio Antiferrugem (www.consorcioantiferrugem.net). Apesar da grande contribuição que os fungicidas proporcionam no controle da ferrugem, uma redução de eficiência desses produtos vem sendo observada devido ao uso intensivo. A pesquisadora Cláudia Godoy, da Embrapa Soja, explica que dos três grupos de fungicidas utilizados para o controle da doença, dois já apresentaram redução de eficiência em razão da adaptação do fungo a esses produtos. “Todo esforço vem sendo feito para estabilizar essa queda de eficiência e prolongar a vida útil do terceiro grupo, que entrou no mercado em 2013”, alerta.
 
Diante disso, a Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) estabeleceu em 6 de novembro, por meio da instrução normativa nº 08/2014, um calendário para a semeadura da soja no estado de Goiás. A partir de agora, a cultura da soja só poderá ser semeada no estado entre 1 de outubro e 31 de dezembro. “Essa medida é importante porque reduz as semeaduras tardias de soja e a soja safrinha”, enfatiza Godoy. “Esses plantios tardios recebem inóculo do fungo proveniente das áreas semeadas mais cedo, sendo necessário aumentar o número de aplicações e reduzir o intervalo entre elas. Esse excesso de aplicações de fungicidas exerce uma pressão de seleção muito alta e favorece a resistência aos fungicidas”, explica.
 
O estado de Mato Grosso também publicou uma instrução normativa conjunta SENDRA/INDEA – MT 007/2.014, de 21 de outubro de 2014, antecipando em 45 dias o período estabelecido para o cumprimento do vazio sanitário. O vazio sanitário (ausência de soja no campo) no Mato Grosso passa a ser de 1 de maio até 15 de setembro e não mais de 15 de junho a 15 de setembro. “Essa medida tem o mesmo objetivo do calendário, uma vez que limita o final da semeadura. O Mato Grosso optou pelo aumento do vazio sanitário uma vez que os técnicos acreditam ser mais viável para fiscalização”, avalia Godoy.
 
De acordo com a pesquisadora, no Paraná - segundo produtor de soja atrás apenas do Mato Grosso - as discussões sobre as medidas alternativas à legislação vigente também devem se iniciar, o que poderá impactar no período de vazio sanitário estabelecido atualmente que é de 15 de junho a 15 de setembro. “Após a entrada do fungo da ferrugem no Brasil, a cultura da soja tornou-se dependente de fungicidas para obtenção de altas produtividades. Se os fungicidas continuarem tendo redução de eficiência em função da adaptação do fungo isso terá impacto em todo sistema produtivo, com reduções de produtividade para todo o Brasil”, alerta a pesquisadora Claudia Godoy.
Fonte: