Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

10/02/2015

Acre: investimentos e apoio a produtores garantem safra recorde de milho

Os produtores de milho do Acre começam a colheita da safra 2014/2015 na próxima semana. É o resultado de quatro meses de muito trabalho, que vai da preparação da terra, plantio, colheita e armazenamento nos silos construídos pelo governo.

A produção do milho no estado cresce a cada safra. Os resultados da parceria entre governo e produtores rurais são animadores. A estimativa é que a nova safra seja recorde. Em 5 mil hectares de área plantada, os produtores devem colher quase 615 mil sacas de milho, o que corresponde a 30.740 toneladas do grão.

“Nós queremos ampliar a produção no Acre. O milho é proteína vegetal, componente principal das rações que podem atender a demanda do complexo de piscicultura e do projeto de suinocultura na região do Alto Acre”, destaca José Carlos Reis, secretário de Estado de Agropecuária (SEAP).

Parceria que se fortalece

O aumento na safra é resultado do fortalecimento da parceria entre governo e produtores. É o que se visualiza na área do produtor rural Ronivon Passarine, no quilômetro 53 da BR-317. Há 8 anos ele investe na produção do milho. A área de plantio cresceu de 80 para 500 hectares. A produtividade também aumentou, saltando de 80 para 120 sacas por hectare. Passarine deve colher, este ano, 60 mil sacas do produto. “Desde que comecei a plantar o governo me ajuda. Tem assistência técnica, máquinas e os silos que ajudam a secar o milho”, afirma o produtor rural.

Os silos são um capítulo à parte no apoio aos produtores no Acre. São seis unidades construídas pelo governo do estado com capacidade para armazenar 25 mil toneladas de grãos.  Os silos secam, limpam, classificam e armazenam o milho. “Não adianta o produtor plantar se não tiver onde beneficiar. Com o apoio técnico e os silos nós damos as condições necessárias para o crescimento da produção no Acre”, é o que enfatiza o engenheiro da SEAP, Nilton Bayma.

 

Fonte: