Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

13/02/2015

MS deve colher 15,7 milhões de toneladas e bater novo recorde

A produção recorde de grãos, associada à política cambial adotada pelo governo federal e à demanda internacional por alimentos, impacta positivamente na economia de Mato Grosso do Sul. Nesta quinta-feira (12), a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) publicou o quinto levantamento da safra 2014/2015, estimando que a produção de grãos do Estado somará 15,72 milhões de toneladas, volume recorde e 7,6% acima dos 14,61 milhões de toneladas do ciclo anterior.

“O impacto é muito positivo a Mato Grosso do Sul”, observou a gestora do Departamento de Economia da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul), Adriana Mascarenhas. Ela explica que o momento cambial, com valorização do dólar frente ao real, favorece para a exportação. Além disso, a demanda e a oferta estão aquecidas. Em janeiro, a receita com as vendas sul-mato-grossenses para outros países totalizou US$ 323 milhões, valor recorde, que foi impulsionado pelo elevado consumo e a alta da moeda norte-americana.

“O dólar em alta torna o mercado brasileiro mais competitivo. E tudo indica que o governo vai continuar, pelo menos até o fim do ano, com essa política cambial”, disse Adriana, acrescentando que esse cenário reflete positivamente em Mato Grosso do Sul, em razão da característica econômica do Estado.

A essa situação cambial e à estimativa de continuidade de consumo elevado de alimentos, foi acrescido, ontem, outro dado relevante: a produção acentuada de grãos. Pela previsão da Conab, o aumento de 7,6% da produção será acompanhado pelo avanço de 4,3% da área de plantio (passará de 3,79 milhões de hectares para 3,96 milhões de hectares) e pelo incremento de 3,1% na produtividade (de 3,85 toneladas para 3,969 toneladas por hectare). Essas variações estão acima da média nacional, estimadas em 0,6% (área), 2,7% (produtividade) e 3,4% (produção).

 

Fonte: