Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

04/09/2013

Comercialização de machos para reprodução cresce no segundo trimestre

De acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), de abril a junho deste ano foram comercializadas 13,4 mil cabeças de machos de até 36 meses no Estado. Em comparação com o primeiros três meses do ano, quando foram vendidas 12,3 mil animais, o aumento é de quase 9%.
 
Segundo o Imea, é possível observar um incremento de aproximadamente 10% nos animais comercializados no segundo trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2012, com a venda de 12,2 mil animais. O boletim aponta ainda que a movimentação de machos é a mais alta desde 2011.
 
A justificativa do Instituto de Defesa Agropecuária (Indea-MT) indica que as comercializações desta época têm por finalidade a reprodução da espécie, já que é neste segundo ciclo que ocorre a estação de monta.
 
Com o aumento na procura pelos animais, o preço teve modificação. As cotações do Imea indicaram valorização acumulada de 5,1% no preço do tourinho nelore desde março. Com isso, o custo médio por cabeça passou de R$ 4.122 para R$ 4.334 nos valores atuais.
 
Demanda
A procura pelos animais não cresceu somente para a reprodução do plantel bovino estadual. No segundo trimestre deste ano houve uma demanda crescente por animais no mercado internacional para o consumo da carne.
 
Segundo o Imea, entre o início do ano até julho houve aumento nas exportações da carne bovina. Em janeiro as vendas do produto foram de 16,4 mil Toneladas Equivalente Carcaça (TEC). Já os embarques de julho chegaram a 25,9 mil TEC - um aumento de 57%, porém, este crescimento não foi uniforme visto que as exportações caíram de abril para maio, voltando a crescer de maio para junho.
 
O relatório indica tendências favoráveis para as vendas do produto neste segundo semestre. “As exportações mato-grossenses de carne bovina foram boas ao longo do ano, principalmente pelo barateamento da carne bovina no exterior devido o aumento do dólar. A expectativa do setor no segundo semestre é de melhora”, cita o relatório do Imea.
 
Segundo os dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), a participação bovina na relação geral das exportações de carne aumentou consecutivamente em 11 pontos percentuais entre maio e julho. Neste intervalo, a participação do produto subiu de 44% para 66% entre os tipos de carne. (FAMASUL)
 
 
Fonte: