Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

16/03/2015

Porto de Paranaguá comemora 80 anos com inauguração de equipamentos


Nesta terça-feira (17), o Porto de Paranaguá fará 80 anos. Em comemoração, a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) promoverá uma solenidade no cais com muitas surpresas. A data também vai marcar o início das operações de dois novos shiploaders (carregadores de navio).

Os novos equipamentos serão inaugurados no Corredor de Exportação e aumentarão em 33% a produtividade do Porto de Paranaguá. A Appa investiu R$59 milhões na compra de quatro novos carregadores, sendo que dois deles estão sendo montados e deverão entrar em operação no próximo semestre. Os novos shiploaders vão substituir equipamentos adquiridos na década de 70.

As comemorações vão continuar nos dias 21 e 22 de março, com a realização da 1ª Remada em Comemoração aos 80 anos do Porto de Paranaguá. Desde a inauguração, em 1935, o Porto de Paranaguá aumentou em quase 500 vezes o volume de cargas movimentadas ano a ano.

“Em 1935, o Porto de Paranaguá movimentava 91.598 toneladas de carga. Em 2014, a movimentação registrada foi de 45.548.423 milhões de toneladas”, comparou o diretor presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino.

COMO COMEÇOU – A história do Porto de Paranaguá remonta ao século 17. Em 1872, o porto, que hoje é um dos maiores complexos portuários do Brasil e da América Latina, era um atracadouro administrado por particulares.

Foi apenas no início do século 20, em 1917, que o Governo do Paraná assumiu a administração. No dia 17 de março de 1935 o novo Porto de Paranaguá foi inaugurado no local onde está até hoje.

O Porto contava com cais acostável de 400 metros, calado de cinco metros, além de dois armazéns e linhas férreas para guindastes, totalizando uma área cercada de 10 mil metros quadrados. Naquela época, os navios eram abastecidos por meio de canoas a remo e o ponto de espera era a Ilha do Mel.

Hoje, o Porto de Paranaguá tem área total de 2,3 milhões de metros quadrados e 4.232m de extensão de cais e píeres. Possui 20 berços de atracação, um dolphing para navios RO-RO e dez shiploaders. O complexo para granéis tem capacidade estática de 1,55 milhão de toneladas ou capacidade de armazenamento de 27 mil caminhões.

Entre os portos brasileiros, o de Paranaguá é o primeiro colocado em exportação de farelo de soja e óleo vegetal; o segundo em exportação de açúcar, milho, algodão, papel (bobina), álcool, veículos; e o terceiro em exportação de congelados, soja e madeira.

O Porto de Paranaguá também é o primeiro colocado em importação de fertilizantes; o segundo em pasta e outros produtos químicos; e o terceiro porto do País em importação de granéis sólidos, máquinas, peças e equipamentos.

O secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, ressalta a importância do Porto de Paranaguá para a economia do Estado e do País. “Os portos do Paraná retomaram a movimentação de mercadorias nos últimos quatro anos. Foram modernizados, cresceram em produtividade e em visibilidade no mercado internacional. Este trabalho vai continuar“, declarou Richa Filho.

MELHORIAS - Entre os fatores que impulsionaram o Porto de Paranaguá estão os investimentos, nos últimos quatro anos, de R$ 511 milhões em obras de melhoria, infraestrutura e novos projetos.

Houve modernização do sistema de conferência das cargas de fertilizantes, que agilizou o trabalho e ajudou a diminuir o tempo de espera dos navios, a criação do carga online - sistema informatizado que ordena a chegada de caminhões graneleiros ao Porto de Paranaguá, e a adoção do monitoramento eletrônico e de novas regras de atracação no Corredor de Exportação, que agilizaram a exportação de grãos.

Também foram feitas três campanhas de dragagem, que devolveram a profundidade original aos canais de acesso e berços de atracação, recuperação das vias de acesso no entorno do Porto, aumento do pátio de triagem, o Programa Porto no Campo e a garantia das licenças ambientais.

Estas medidas resultaram no aumento da receita cambial, que em 2010 era de U$ 14,5 bilhões e passou para U$ 16,5 bilhões em 2014. Já a movimentação geral de cargas passou de 38,1 milhões em 2010, para 45,5 milhões em 2014.

 

Fonte: