Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

27/03/2015

Mini usinas podem alavancar produção de etanol de milho em Mato Grosso


Produtores rurais se reuniram na quinta (26) para discutir a viabilidade da implantação de mini usinas para produção de etanol de milho em Mato Grosso. A empresa Usinas Sociais Inteligentes Destilarias Sustentáveis S.A. (USI Biorefinarias) apresentou um modelo de negócio que envolve parcerias entre fornecedores e produtores rurais.

“É um modelo onde o produtor é agregado à cadeia do etanol de milho. É uma proposta de garantia de sustentabilidade de renda”, explica Francisco Mallmann, presidente da USI Biorefinarias.
 
O ex-presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) e conselheiro da entidade, Glauber Silveira, explica que a reunião teve o objetivo de apresentar alternativas para os produtores de milho do Estado. “Em algumas regiões, são poucos produtores e não conseguem ‘bancar’ uma usina de R$ 400 milhões. Essa opção de usina de menor porte permite criar um negócio de âmbito regional”, diz Silveira.
 
Além da assistência no gerenciamento e na parte técnica, o modelo apresentado também trabalha a comercialização e logística do produto final com a parceria da CHS, maior cooperativa agrícola norte-americana. “A CHS se compromete a comprar a produção e comercializar, e isso é importante, pois somos agricultores e precisamos desse know-how para os outros elos da cadeia”, afirma Silveira.
 
“Esse tipo de negócio é sucesso nos Estados Unidos há 15 anos. Nós nos comprometemos a comprar 100% da produção por dez anos e revender com o que chamamos de ‘livro aberto’, ou seja, o nosso cliente (usina) decide junto conosco pra quem vender, quando vender e por quanto vender”, explica o representante da CHS, Clayton Anselmo de Mello.
 
Glauber Silveira ressalta, entretanto, que os produtores rurais precisam avaliar a viabilidade dos investimentos. “Acreditamos no potencial do etanol do milho e trouxemos alternativas que podem abrir os horizontes. Não se trata de aval a esta ou outra empresa, mas sim de um intercâmbio de informações que pode ajudar o produtor a tomar decisões no seu negócio”, finaliza.

 

Fonte: