Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

31/03/2015

Mais soja e milho para árabes


Apesar de o Brasil ser um dos grandes produtores e fornecedores mundiais de grãos, os produtos não estão no topo da lista de produtos exportados para o mercado árabe. A soja representou apenas 3% da receita total obtida pelo País com vendas à região no ano passado e o milho, 5,5%. Especialistas explicam os volumes principalmente pelo perfil das nações árabes, que não têm indústria de grande escala para transformação de grãos, e pela demanda que vem de outras regiões do mundo em crescimento acelerado, como a Ásia.

“A exportação para os árabes cresceu, mas o mercado não é tão grande e não cresce tanto quanto o asiático”, afirma o sócio da Barral M Jorge Consultoria e ex-secretário de comércio exterior do Brasil, Welber Barral. Carnes, açúcar e minério ocupavam os primeiros lugares no ranking de exportações do Brasil para os árabes em 2004 e continuavam no pódio no ano passado, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) compilados pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira.

Mas as vendas de grãos vêm crescendo. No caso do milho, as exportações brasileiras para os árabes passaram de 100 mil toneladas há dez anos para quatro milhões de toneladas em 2014. O salto foi de quarenta vezes. As vendas de soja saíram de 245 mil toneladas para 770 mil toneladas no mesmo período, com crescimento acumulado de 214%. A exportação de milho esteve maior em 2013, nestes dez anos, e as de soja teve o maior volume em 2014 mesmo.

No caso do milho, houve um grande salto nas vendas brasileiras para o mercado árabe em 2008, 2009 e 2010, logo depois que os Estados Unidos anunciaram o incentivo à produção de etanol a partir da commodity. O número de países árabes compradores do produto brasileiro saiu de dois em 2007 para onze em 2008. No ano passado eram 13 as nações compradores, com Egito e Arábia Saudita respondendo pela metade das importações.

“O grande produtor mundial de milho é Estados Unidos. Esse incremento se deve à substituição. Os Estados Unidos usaram o milho para fazer etanol, houve quebra de safra”, lembra o diretor geral da Câmara Árabe, Michel Alaby. Também ocorreu um aumento grande em 2012, ano de forte quebra da safra norte-americana de grãos, e no ano seguinte, em 2013. No ano passado, as exportações recuaram.

O diretor de Desenvolvimento de Negócios da Cerealpar, Steve Cachia, aponta outros motivos para o maior fornecimento do milho brasileiro aos árabes. “O crescimento foi grande, mostra que a demanda cresceu lá e que o mercado se abriu muito para os brasileiros”, diz. Diferente da soja, o beneficiamento do milho para consumo animal não exige uma estrutura industrial, não é tão complexo, segundo ele. Mas Alaby acredita que o milho enviado para o Brasil seja usado, no mundo árabe, principalmente pela indústria de alimentação humana.

E a soja?

As exportações de soja do Brasil para o mercado árabe também avançaram, mas o volume enviado no ano passado, 770 mil toneladas, é só um quinto do milho embarcado. “Para importar a soja é preciso ter uma indústria esmagadora”, afirma Cachia. Ele acredita que a demanda, no mundo árabe, é maior para produtos derivados da soja como o farelo e o óleo. Algo similar afirma Barral: “Eles compram soja já beneficiada.”

De fato, diante do total que o Brasil embarcou em soja para o mundo no ano passado, 46 milhões de toneladas, a quantidade vendida aos árabes foi pequena. “O grande mercado é a Ásia, as vendas de soja para a Ásia cresceram quatro vezes de 2001 a 2010 por causa do aumento vertiginoso da demanda”, afirma o sócio da Barral M Jorge Consultoria.

Mas houve um bom avanço nas exportações do grão. E a pesquisadora científica do Instituto de Economia Agrícola (IEA), Marisa Zeferino Barbosa, acredita que esse aumento decorra da demanda agregada. "Em resposta a um crescimento no consumo do grão para a fabricação de rações. Assim, a demanda por soja é relacionada ao aumento do consumo de carnes nos países importadores, posto que o farelo é importante ingrediente na composição da alimentação animal", diz.

As compras de soja brasileira, no mundo árabe, eram feitas principalmente por Emirados e Marrocos em 2004. Os dois seguiram na liderança até 2006. O Marrocos se manteve como um grande comprador, entre os árabes, até 2009, mas a Arábia Saudita e o Egito foram os grandes responsáveis pelo aumento das exportações brasileiras nos últimos anos.

Grandes players

Os especialistas afirmam que o mercado de grãos como soja e milho é dominado por grandes multinacionais. “Não depende de promoção comercial, marca, quem define esse comércio são as grandes tradings. Se por questões de logística, atrasou a produção daqui, manda de outro lugar”, afirma Barral. “São grandes players, como no caso do açúcar”, diz Alaby.

Cachia acredita que há potencial para aumentar as exportações de soja e milho do Brasil com a exploração de um nicho de menores volumes, no que a Cerealpar vem trabalhando. São exportações que podem ser feitas, por exemplo, diretamente para pequenas fábricas de rações (milho) em navio que não vá carregado todo com a mesma mercadoria, mas que pode levar para a região desde soja e milho até máquinas. Segundo ele, hoje há logística de comércio exterior para isso.

(Isaura Daniel)

Fonte: Agência de Notícias Brasil-Árabe
Fonte: