Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

02/04/2015

Com produtividade média de 65 sacas de soja por hectare, fazenda supera média de MT


Na reta final da colheita de grãos a Fazenda Ressaca, na região de Cáceres, em seu primeiro ano de integração lavoura-pecuária, supera a estimativa de produtividade de soja de Mato Grosso e atinge cerca de 65 sacas por hectare, 13 sacas de grãos a mais que a média estadual, que de acordo com o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) será de aproximadamente 52,4 sacas por hectare. Os números foram divulgados na terça-feira (31), durante o II Encontro Técnico da Soja e do Milho na Região Sudoeste de Mato Grosso, ocorrido na sede do Grupo Nelore Grendene. O evento foi realizado em parceria com o Sindicato Rural de Cáceres.

De acordo com o proprietário da Fazenda, Pedro Grendene, clima e trabalho foram questões que influenciaram diretamente nos resultados positivos. “Tivemos chuvas nos momentos certos de desenvolvimento da planta, escolhemos variedades que tiveram excelente desempenho em um solo produtivo. Todas essas questões somadas à capacidade profissional dos técnicos responsáveis acarretaram nesses resultados que surpreendem”, destaca Grendene.

A propriedade que tem a pecuária como principal atividade visualiza os grãos como oportunidade de diversificar a matriz econômica e diminuir os custos na criação de gado. “Destinamos uma pequena área para a produção de milho que servirá de silagem para os animais. E a pastagem que se desenvolve na área em que a soja foi cultivada apresenta maior taxa nutricional, impactando diretamente na qualidade da proteína vermelha”, enfatiza o diretor de pecuária do Grupo Nelore Grendene, Ilson Correa.

Cerca de 1.100 hectares foram destinados para o cultivo da oleaginosa nesta primeira safra, com a meta de expandir mil hectares por ano, em cima da pastagem. Do total da área destinada à soja, 50% já foi comercializada antecipadamente, o equivalente a 2.040 toneladas de grãos ou 34 mil sacas.

Segundo Corrêa, o monitoramento nas lavouras para diagnosticar pragas e doenças foi realizado a cada três dias em pontos fixos e não houve diagnóstico considerável. Para o próximo ano o projeto é de acompanhamento ainda mais efetivo com apoio direto das capacitações do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar/MT), relacionadas às aplicações de defensivos agrícolas de forma e quantidades corretas.

Para a colheita a propriedade dividiu a área em talhões, onde a menor produtividade verificada foi de 59 sacas por hectare e o mais produtivo acumulou cerca de 71,5 sacas por hectare, números equivalentes aos do Norte do Estado, região tradicionalmente produtiva.

Com foco na pecuária a propriedade verifica como principal vantagem da integração a lotação de animais, que após a primeira safra de soja passou de um para 3,5 animais por hectare. A meta é atingir oito animais por hectare em cinco safras, em prol do desenvolvimento vertical.

 

Fonte: