Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

09/09/2013

Técnica paranaense do plantio direto revoluciona agricultura mundial

​Se a economia brasileira tem nos sucessivos recordes de produção de grãos um de seus pontos de sustentação, parte disso se deve a uma mudança radical ocorrida há quatro décadas nas técnicas de plantio do país. O sistema de plantio direto, nascido nos Estados Unidos mas radicado no Paraná, afastou o desastre das erosões, que fazia com que os agricultores perdessem mais de 20 toneladas de solo por hectare todos os anos.
 
A técnica implantada nos Campos Gerais se disseminou de 1972 para cá, e hoje é usada na produção de 80% das commodities agrícolas brasileiras. O novo modelo foi fundamental para a expansão da fronteira agrícola brasileira para áreas antes consideradas inúteis para a cultura de grãos.
 
“Estamos em cima de arenito. A erosão tornava o plantio inviável e precisávamos de uma solução”, afirma Manoel “Nonô” Pereira, um dos pioneiros na aplicação do sistema no país. “Era comum ver todo o solo de uma propriedade ser levado pela chuva”, relembra.
 
Palha da última safra
 
Junto de Herbert Bartz e Frank Dijkstra, trio que revolucionou a agricultura nacional, Nonô foi aos Estados Unidos buscar ajuda para adaptar o solo a uma técnica que estava sendo experimentada no estado da Virgínia: ao invés de arar a terra, manter a palha da última safra na plantação. “Ninguém dava nada por nós. Éramos tachados de loucos até que a primeira minhoca aparecesse no meio daquela palhada”, explica o agricultor.
 
Elas apareceram alguns anos mais tarde – junto com um tratamento de pesticidas e adaptações de máquinas – referendando a saúde do solo e a eficiência do sistema, que nas décadas seguintes foi adotado no restante do país.
 
Consolidado
 
O Brasil tem hoje a segunda maior área com plantio direto do mundo. São aproximadamente 30 milhões de hectares (pouco menos de 50% de toda a área plantada do país), apenas 2 milhões a menos que os Estados Unidos.
 
Além de aumentar a produtividade, a técnica pode ser mais barata e ambientalmente muito mais sustentável. O custo de produção do milho plantado diretamente sobre a palha é 6% menor que nos métodos tradicionais, além de ter um custo de reposição ambiental 30% mais barato – ou seja, o gasto para evitar o processo de erosão e captação de água é quase um terço menor. No caso da soja, o custo de produção é 0,5% maior, mas o custo ambiental é 80% menor. Além disso, por extinguir o arado, os produtores economizam até 45 litros de combustível por hectare.
 
A prática exige alguns cuidados especiais. A rotação de culturas, por exemplo, é essencial. “É preciso manter a saúde do solo e ter a palha ideal para a cultura seguinte. Não é possível se guiar somente pelo mercado”, explica o técnico da Embrapa Hildo Callete. Os restos da cultura anterior devem cobrir pelo menos 80% da área cultivada.
 
Inventor da técnica se surpreendeu no Paraná
 
Os pioneiros brasileiros do plantio direto, primeira experiência em grande escala da técnica, se inspiraram nas pesquisas do professor norte-americano Shirley Philips, da Universidade de Kentucky.
 
Philips fazia experimentos em uma fazenda-teste havia alguns anos quando recebeu a visita dos agricultores Herbert Bartz, Franke Dijkstra e Nonô Pereira. Treze anos mais tarde, quando o sistema já estava consolidado em algumas regiões do país, os papéis se inverteram. “Mesmo sendo um profundo conhecedor da técnica, ele se impressionou com os resultados. A partir daquele momento, ele disse que o resto do mundo tinha que aprender conosco sobre plantio direto na palha”, relembra Pereira.
 
Os quatro – pesquisador e os três agricultores – viajaram para dezenas de países disseminando a técnica, e se tornaram uma espécie de embaixadores mundiais do plantio direto. Espanha, Peru, Argentina, Uruguai e Alemanha foram alguns dos lugares por onde passaram.
 
As pesquisas de Philips também foram fundamentais para a evolução da agricultura norte-americana. Atualmente, o país lidera a área plantada mundial com o sistema, com mais de 32 milhões de hectares.
 
As experiências de sucesso nos dois gigantes da produção agrícola na América se espalharam pelos demais países do continente. Apenas 14% de toda a área cultivada com o plantio direto no mundo se encontra do outro lado do Atlântico.
 
Quem faz
 
Ano de fundação: 1972
Em que área é usado: Agricultura
Onde está presente: Em 30 milhões de hectares em todo o Brasil
Por que é bem feito: Porque tornou possível a expansão da fronteira agrícola brasileira em regiões onde não havia condições de solo para o cultivo em larga escala.
 
 
Autor:
Pedro Brodbeck, enviado especial

Fonte: