Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

04/05/2015

Rally da Pecuária chega ao Mato Grosso do Sul


O Rally da Pecuária 2015, principal levantamento técnico privado sobre as condições da bovinocultura no País, chega ao Mato Grosso do Sul, nesta segunda-feira (4). Nesta etapa, a Equipe 2 fará amostras e entrevistas com pecuaristas entre os municípios de Campo Grande, Aquidauana e Dourados. Nesta segunda-feira, os produtores da região Campo Grande contaram com evento regional gratuito, com apoio local da Famasul, para discussão de tendências de mercado, cenários e iniciativas para aumentar a rentabilidade na pecuária. Na quinta-feira, dia 7 de maio, outro evento em parceria com a Sociedade Rural Brasileira acontecerá em Dourados.

O objetivo do projeto é realizar uma avaliação completa, in loco, das áreas de cria, recria, engorda e confinamento. Ao todo, seis equipes técnicas avaliarão a quantidade de animais confinada em 2014, a intenção de confinamento para este ano, índices zootécnicos, a oferta de animais de reposição, gado para abate e as condições das pastagens, fazendo amostras e avaliações aleatórias de mais de 500 pastos diferentes.

Segundo projeção pré-Rally da Pecuária 2015 feita pela Agroconsult, organizadora do projeto em parceria com a Sociedade Rural Brasileira (SRB), pecuaristas brasileiros deverão terminar 5 milhões de cabeças em confinamento em 2015, o que representa um acréscimo de 400 mil cabeças em relação ao ano passado. “A oferta total de animais abatidos no Brasil vai aumentar, mas ainda assim será inferior à demanda”, afirma Maurício Palma Nogueira, coordenador do Rally.

A Equipe 1 do Rally da Pecuária concluiu os trabalhos na última quinta-feira, dia 30. A expedição foi pela primeira vez ao Rio Grande do Sul, considerado um dos estados de maior importância na pecuária do país, não apenas pelo tamanho do rebanho, em torno de 13 milhões de cabeças, mas também pela particularidade dos sistemas de produção. Nessa região, os técnicos observaram que a adoção de pastagens de inverno e com o uso de integração com agricultura ocorre há anos. E o período de safra acontece quando é entressafra no restante do país.

O inverno do Estado é chuvoso e a alternativa dos produtores é adotar as pastagens de inverno. As perenes – ou de verão – também seguem características típicas do Rio Grande do Sul. Usam-se muitos campos nativos em sistemas de produção, que podem incluir programas de melhoria destes campos. Produtores vêm adotando cada vez mais esses sistemas.

Nesta edição, as equipes visitarão propriedades no Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Tocantins, Pará, Mato Grosso, Rondônia e Acre mapeando e fotografando pastagens, para obter informações como homogeneidade do pasto, volume de massa, população de plantas, altura do capim, presença de erosão, plantas invasoras, além de um histórico de utilização dessas pastagens relatado pelos pecuaristas. “As áreas visitadas respondem por mais de 83% do rebanho bovino nacional e 90% da produção de carne”, explica Nogueira.

Em encontros agendados com cerca de 120 pecuaristas, técnicos conduzirão entrevistas para levantar, entre outros dados, áreas de pastagem e de agricultura em cada propriedade, total de cabeças de gado, estratégias nutricionais, confinamento, índices de fertilidade, natalidade e mortalidade, manejo sanitário e de pastagens e comercialização de animais.

No total, serão percorridos cerca de 60 mil quilômetros, com a realização de 13 encontros, sendo 8 eventos regionais para discussão de tendências de mercado, cenários e iniciativas para aumentar a rentabilidade na pecuária, e 5 eventos no formato do Circuito Rural, que acontecerão sempre entre 13h30 e 19h. Além das tendências de mercado, o Circuito Rural discutirá com os pecuaristas temas como: “21 arrobas em 24 meses: conheça o boi 7-7-7”; controle de invasoras e pastagens de alto desempenho; correção, fertilização e garantia da longevidade das pastagens; crédito, financiamento e linha ABC para a pecuária; a sucessão familiar no contexto da modernização contínua da gestão na fazenda; custos, resultados e tendências da aplicação de tecnologia na pecuária.

 

Fonte: