Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

07/05/2015

Criadores de Angus alertam para riscos da suspensão da vacinação contra aftosa


A notícia de que o Paraná solicitou suspensão da vacinação do rebanho bovino contra febre aftosa ao Ministério da Agricultura colocou em alerta criadores da raça Angus de todo o país. O temor é que a falta de imunização torne a região uma porta de entrada para o vírus no Brasil, o que pode comprometer a sanidade do rebanho e a própria atividade agropecuária. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Angus (Angus), José Roberto Pires Weber, a fronteira do estado do Paraná com o Paraguai é um perigo concreto tendo em vista que o controle da epizootia naquele país não segue o mesmo rigor do Brasil. “A decisão sobre a suspensão da vacinação em um determinado estado não pode ser tomada de modo isolado. É uma medida que impõe riscos a diversas outras regiões do Brasil e, por isso, deve ser debatida a fundo com o setor”, pontua Weber.

Além do risco sanitário, a suspensão da imunização não deve trazer ganho econômico expressivos aos criadores, que já o Brasil vem galgando, ano a ano, novos mercados para a carne. “A iminente abertura do mercado americano e chinês para os cortes nacionais é prova de que há expansão de vendas mesmo com o status de zona livre de aftosa com vacinação”, completou o gerente Nacional do Programa Carne Angus, Fábio Medeiros. “Os clientes hoje compram nossa carne e pagam bem por ela. Se tivermos um surto no Paraná, todo o país será prejudicado. Será que vale o risco?”, questiona Reynaldo Titoff Salvador, diretor do Programa Carne Angus.

A decisão do Paraná ainda poderá trazer problemas para a sustentabilidade interna do rebanho, uma vez que a pecuária daquele estado não é autossuficiente na produção de bezerros. Com a suspensão da vacinação, as aquisições de outros estados com status inferior, como RS, SP e MS, ficariam inviabilizadas.  A estimativa é de que o déficit do Estado do Paraná seja superior a 200 mil bezerros por ano, segundo dados da Sociedade Rural de Maringa/PR. Medeiros ainda questiona a oportunidade da suspensão da imunização já que, não tendo tradição como exportador de carne, os benefícios ao Estado do Paraná seriam limitados.

Segundo o presidente da Angus, o mais apropriado seria unir secretários de estados e lideranças dos ministérios de Agricultura dos países da América Latina para discutir propostas conjuntas que busquem a erradicação da febre aftosa de forma continental. Um modelo nesse sentido vem sendo alinhado há anos pelo Panaftosa, mas, na prática, garante Weber muito pouco foi implementado. “O que acontece é que os países adotam suas próprias medidas e, às vezes, nem as adotam, e fica tudo por isso mesmo”, salienta.

A proposta da Angus é trabalhar para construir, no futuro, uma zona livre de aftosa que integre MS, SP, PR, SC e RS, além de Uruguai, Argentina, Paraguai e Chile. “Para isso, a defesa agropecuária tem que ser vista como uma prioridade, assim como as políticas efetivas de controle de fronteira”, conclui Weber.

 

Fonte: