Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

18/05/2015

Acrismat articula para MT receber certificação “livre de peste suína clássica”


A Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat) está desenvolvendo, em parceria com o governo de Mato Grosso e o Instituto de Defesa Agropecuária (Indea), ações para conseguir a certificação internacional da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), de Estado livre da peste suína clássica.

Uma delas é a construção de um posto fiscal em Guarantã do Norte (732 km de Cuiabá), na divisa com o Estado do Pará – que não possui a certificação. Integrantes da Acrismat vistoriaram, na última sexta-feira (15), o andamento da construção. O posto está sendo feito para auxiliar o combate à doença.

“É de extrema importância a discussão para adequação do Estado nas normativas vigentes, pois há risco de perda de espaço brasileiro no comércio internacional a longo prazo”, comentou o presidente da Acrismat, Raulino Teixeira Machado, por meio da assessoria.

Recentemente a OIE alterou as regras e incluiu a peste suína clássica na lista de doenças de reconhecimento da organização juntamente com febre aftosa, peste bovina, pleuropneumonia contagiosa dos bovinos, encefalopatia espongiforme bovina (doença da vaca louca), peste dos pequenos ruminantes e peste equina.

Com a mudança das regras, é necessário que os estados tenham certificado internacional da organização que esta livre da doença. Até o começo deste ano, apenas dois estados tinham o certificado: Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Esta medida visa contribuir no combate à doença e conquistar o certificado, para evitar que Mato Grosso se prejudique na exportação de carne suína para o exterior. A Acrismat junto ao governo está buscando ações pra conseguir a certificação, no próximo ano, pois a OIE concede certificações anualmente.

Em dezembro de 2014 a Acrismat realizou encontro com produtores e profissionais da suinocultura para inclusão da PSC na lista de doenças de reconhecimento oficial da IE), a partir de 2015.
Fonte: