Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

09/06/2015

MT: para pecuaristas, assistência técnica é a chave


Apesar de apresentar um crescimento de 154% nos últimos 10 anos, a Cadeia Produtiva da Bovinocultura de leite de Mato Grosso é responsável por apenas 3% da produção nacional. O estado ocupa a 8º posição no ranking dos produtores brasileiros de leite, com uma produção anual de 618 milhões de litros, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o Instituto Mato-grossense de Pesquisa Agropecuária (IMEA), a média da produção estadual é de 5,9 litros por dia, mas apenas 2,9% dos produtores contam com assistência técnica, deste total 2,6% recebem orientação dos laticínios e apenas 0,3% assistência técnica do setor público.

O grande potencial de produção leiteira instiga os produtores a investirem na cadeia produtiva. Um exemplo desta persistência é a região Oeste do Estado, responsável por 43% da produção mato-grossense, ou seja, aproximadamente 265 milhões de litros/ano.

Nesta região, a pecuarista Carmem de Albuquerque, luta há 12 anos para se manter na atividade. "Fui investindo na propriedade aos poucos. Hoje tenho 140 cabeças de gado, 40 animais são lactantes, o que gera uma produção de 200 litros de leite por dia, dando uma média de 5,8 litros por cabeça ao dia", contabiliza. "Nunca contei com assistência técnica, quando tive foi particular", revela.

A pecuarista será uma das contempladas com o programa SENAR Tec Leite, que será desenvolvido na região de Pontes e Lacerda pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (SENAR-MT), Sindicato Rural de Pontes e Lacerda e parceiros. "Acredito que com a assistência técnica muita coisa vai mudar, principalmente o crescimento da produtividade e a garantia da qualidade do leite", antecipa. "Hoje o leite é vendido a R$0,78, um preço muito baixo que desestimula o produtor".

O supervisor de assistência tecnica do SENAR-MT, Giovani Peres, está realizando o cadastramento de produtores na região. "Durante nossas visitas aos produtores é muito comum ouvir a frase 'o leite está muito barato', porém eles não sabem responder quanto é este valor", revela. "Com a implantação do programa o produtor poderá, a partir da geração de dados informativos da realidade produtiva e financeira da sua atividade, tomar as decisões mais seguras, sempre pautadas na eficiência, sem o uso do 'achismo'. Poderá fazer a aplicação de técnicas visando a sustentabilidade de seu negócio", garante.

Serão 120 produtores beneficiados com o programa. Os produtores de leite da região interessados em participar do SENAR Tec Leite podem procurar o Sindicato Rural de Pontes e Lacerda, pelo telefone (65) 3266-3725, para demostrar interesse no projeto, mas isto não é garantia de participar do SENAR Tec Leite, ele ainda irá receber uma visita técnica para identificar se o perfil do produtor se enquadra no projeto.

Para o presidente do Sindicato de Pontes e Lacerda, Nilmar Miotto, a chegada do programa ao município é a realização de um sonho. "Já somos o município que mais produz leite do Estado, com a assistência técnica tenho certeza de que vamos fazer uma verdadeira revolução da nossa bacia leiteira, aumentando a produtividade, garantindo a qualidade do produto e melhorando a renda dos produtores", comemora.

O gerente de Educação Formal e Assistência Técnica do SENAR-MT, Armando Urenha, lembra que a instituição de ensino rural está com processo de credenciamento de técnicos de campo em andamento que vai até o dia 21 de junho. Interessados em prestar serviços devem cadastrar seus currículos no site do SENAR (http://sistemafamato.org.br/portal/senar/cadastrar_tecn_camp.php) e no dia 05 de agosto as atividades terão início em Pontes e Lacerda. 

"A assistência técnica vem para capacitar os produtores rurais, transportadores e os técnicos dos laticínios, abrangendo uma grande gama da cadeia produtiva", analisa Urenha. "O SENAR Tec Leite contará com um software para gestão da propriedade rural e controle de indicadores de produção", antecipa.
Fonte: