Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

19/06/2015

Com lavouras debaixo d’água, EUA podem ter plantio reduzido


36,1 milhões de hectares de milho e um recorde de 34,2 milhões de hectares de soja. Esses são os números que foram apresentados pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) em seu relatório de intenção de plantio, em março. Considerando os números do último relatório de acompanhamento de safra, divulgado pelo órgão no dia 8, os Estados Unidos ainda teriam, respectivamente, 769 mil e 7,3 milhões de hectares por semear. Com o mês e junho já entrando na segunda metade, o mercado começa a se perguntar se haverá tempo hábil para plantar as áreas restantes e/ou replantar lavouras que recém-cultivadas que estão debaixo d’água.

Nos últimos 30 dias, chuvas frequentes acumularam o dobro do volume normal para o período em muitos estados da porção Oeste do Corn Belt. Kansas e Missouri, os mais afetados, registraram precipitações até 600% acima da média para esta época do ano, e tiveram seus índices de plantio rebaixados a, respectivamente, 31% e 30%, cerca de 50 pontos porcentuais atrás do ritmo de um ano atrás. Chuvas constantes mantiveram os produtores fora dos campos durante grande parte final de maio e início de junho e atrasaram os trabalhos em cerca de duas semanas nestes estados.

Segundo especialistas, áreas inundadas, em Bates County (Missouri) e solos saturados podem ter seu desenvolvimento comprometido e correm risco de morte de plantas ou doenças relacionadas ao excesso de umidade. Em estados como Missouri e Michigan, os níveis de umidade de solo estão 50% acima do normal e outros, como Illinois e Indiana registram índices em torno de 40%, de acordo com o USDA.

As plantas que sobreviverem às inundações devem enfrentar uma batalha difícil até o final da temporada. O excesso de chuvas durante os primeiros estádios vegetativos prejudica o desenvolvimento do sistema radicular das plantas e, com raízes menos profundas, as lavouras ficam mais suscetíveis a quebras em caso de veranicos.

No caso da soja, as lavouras costumam aguentar cerca de dois dias debaixo d’água sem grandes consequências. A partir do quarto dia, contudo, já pode haver perda de potencial produtivo e, depois de seis dias submersas, podem morrer ou ‘perder’ seus nódulos fixadores de nitrogênio. Neste caso, pode ser necessária a adição de nitrogênio suplementar no estádio de florescimento. Pesquisas da Universidade de Michigan mostram que, a depender da severidade, alagamentos durante as fases de crescimento vegetativo podem reduzir o rendimento da soja entre 17% a 43%.

Os mapas meteorológicos de quinta-feira (18) mostram que as precipitações não devem dar trégua aos produtores norte-americanos nos próximos dias. No Meio-Oeste, as chuvas previstas para a próxima semana devem acumular até 300% do volume normal para o período e tendem a manter os trabalhos de campo paralisados. Até que ponto o atraso do plantio vai impactar o tamanho da área de cultivo deve ser revelado pelo USDA no dia 30, quando o órgão divulga seu relatório trimestral de área plantada e estoques trimestrais.
Fonte: