Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

16/09/2013

Período proibitivo em Mato Grosso chega ao fim e libera plantio

O Vazio Sanitário chegou ao fim neste domingo (15), em Mato Grosso. Por 90 dias, desde 15 de junho, o cultivo comercial da soja esteve proibido como forma de se respeitar a entressafra. Com a liberação do plantio, restam apenas as chuvas para que os mato-grossenses dêem a largada da nova safra brasileira da leguminosa, o ciclo 2013/14.
 
O Vazio impede a existência de plantas vivas (com exceção das áreas para pesquisa com a liberação do Ministério da Agricultura), pois reduz o risco de sobrevida de pragas e fungos no ambiente e consequentemente dos ataques precoces sobre às plantas recém-emergidas, especialmente a ferrugem asiática. O Vazio tem como objetivo eliminar a chamada 'ponte verde' entre a safra antiga e a nova, ou seja, a passagem de fungos como o causador da ferrugem asiática, o Phakopsora pachyrhizi.
 
Sem o período proibitivo no Estado, como aponta a Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado, (Aprosoja/MT), fica a cargo dos produtores a destruição das plantas tigueras (nascidas a partir das perdas nas lavouras e no transporte) presentes em suas lavouras, para impedir que a ferrugem asiática se dissemine e gere perdas na safra subsequente, perdas essas na produtividade e na renda do produtor.
 
Segundo o coordenador da Comissão de Defesa Sanitária Vegetal da Superintendência Federal da Agricultura (SFA/MT), Wanderlei Dias Guerra, é preciso acompanhar de perto a presença das tigueras, principalmente nas regiões onde choveu durante a entressafra, como Primavera do Leste, Campo Novo do Parecis, Sapezal, Tangará da Serra e proximidades. Mesmo sendo precipitações esporádicas, como alerta Dias Guerras, elas foram suficiente para assegurar a umidade e consequentemente manter o fungo da ferrugem viável, tornando-se uma ameaça à nova safra. Nestas citadas a Comissão emitiu o que eles chamam de 'alerta vermelho'. "Essas são as regiões mais críticas para o aparecimento de ferrugem, pois são locais que concentram mais umidade", argumenta.
 
Na região norte a situação é considerada um pouco mais tranquila em relação à safra passada (2012/13), mas necessita de atenção especial. Essa porção estadual recebeu menos chuvas na entressafra, mas, no entanto, com as primeiras chuvas e como esporos da ferrugem no ar, há grandes chances do foco da doença chegar mais cedo no médio norte e disseminar para outras regiões, explicou Wanderlei. O médio norte concentra a maior produção de soja do Estado, respondendo sozinha por mais 40% da área plantada e da produção.
 
ALERTA - A Aprosoja/MT recomenda que o produtor redobre o monitoramento das lavouras, que sejam utilizados produtos recomendados pelo engenheiro agrônomo e, que principalmente, observem o intervalo entre uma aplicação e outra sobre a nova safra. Não se esquecendo dos princípios básicos quanto à tecnologia de aplicação, como a hora ideal para pulverizar, temperatura e velocidade do vento. "O monitoramento eficaz e a prática destas ações diminuirão a pressão da doença no Estado e, consequentemente, todos os produtores serão beneficiados", reforça o diretor técnico da Aprosoja/MT, Nery Ribas. Ainda como reforça, as orientações preventivas são para que não ocorram prejuízos como os contabilizados no último ciclo, em cerca de US$ 1 bilhão.
 
 
Fonte: