Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

30/07/2015

Paraná registra crescimento nas três safras do ano

O Departamento de Economia Rural (Deral), órgão de pesquisas e análises da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento, acaba de soltar nova projeção em que confirma recorde de produção agrícola em 2014/15. A safra está sendo encerrada com o milho de inverno e o trigo, que prometem alta produtividade.

Segundo o Deral, o estado vai somar 38,3 milhões de toneladas de grãos. O volume é 7% maior que o de 2013/14, um avanço surpreendente, porque o estado aproveita praticamente toda sua área agricultável e, em volume, o plantio de soja (em expansão) rende menos que o de milho.

O Deral reviu o potencial do milho de inverno e acrescentou 300 mil toneladas. A avaliação é que as chuvas das últimas semanas, mesmo que provoquem danos de qualidade, não derrubam o tamanho da colheita, que cresce 6% e passa da casa de 10 milhões para a de 11 milhões de toneladas.

Três safras

As três safras cresceram 7% (verão), 7% (segunda safra) e 5% (inverno). Veja o volume de cada uma.

22 milhões de toneladas foram colhidas na safra de verão, liderada pela soja (16,7 milhões de toneladas).

11,7 milhões de toneladas saem da segunda safra (feijão, milho e soja), com 11 milhões de toneladas só de milho.

4,6 milhões de toneladas são da safra de inverno propriamente dita, composta por trigo (3,96 milhões de t), aveia, canola, cevada, centeio e triticale.

“Até o fim da colheita do milho e o avanço do ciclo do trigo, poderá haver compensações de aumento de produtividade de determinadas regiões em detrimento de outras. Poderá haver compensações ou agravamento de perdas.”
Francisco Carlos Simioni, diretor do Deral.
 
Lavouras no campo

31% da área ocupada com milho de inverno, que é de 1,9 milhão de hectares, já foram colhidos.

75% do trigo (1,3 milhão de hectares) estão em desenvolvimento vegetativo ou floração. Os outros 25% entraram na frutificação.

 

Autor:
José Rocher

Fonte: