Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

02/09/2015

Imea projeta recorde no esmagamento de soja em MT após recuperação da margem de lucro


Depois de um leve recuo em junho, Mato Grosso registra novas altas no volume esmagado de soja em julho, de 830 mil toneladas. No acumulado dos primeiros sete meses de 2015, o esmagamento em MT registrou desempenho recorde de quase 5,5 milhões de toneladas, cerca de 450 mil toneladas a mais que em 2014, informa o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

“O Imea projeta um novo recorde no esmagamento em 2015, de 9 milhões de toneladas, pautado na recuperação da margem das indústrias, que aproveitam da melhora nos preços do farelo e óleo para aumentar o esmagamento, além do aumento da produção de soja neste ano”, diz o boletim da soja, elaborado pelo instituto e divulgado nesta segunda-feira (31).

A boa performance acompanha a margem das esmagadoras, que vêm apresentando melhora desde junho. Atualmente, a relação entre o preço da soja em grão ante os seus subprodutos é de R$ 298,53/t, mostrando-se R$ 70,35/t à frente do ano passado. “ No entanto, espera-se que o volume esmagado diminua nos próximos meses, acompanhando a tendência histórica do período”, avalia o Imea.

Os técnicos do instituto entendem que os preços internos em MT estão em patamares mais elevados do que as cotações internacionais, pautados, sobretudo, na alta da taxa de câmbio. No caso do óleo de soja, o cenário é ainda mais positivo. Os preços internos apresentam movimentação contrária aos externos. Enquanto na CBOT as cotações estão em seus menores patamares históricos, os preços internos estão em ascensão desde janeiro, devido a dois principais fatores: a taxa de câmbio alta e os leilões da ANP que sustentam a demanda, o que torna o momento oportuno aos produtores que ainda possuem soja disponível.

“Para os próximos meses, algumas indústrias poderão realizar novas compras do grão para repor seus estoques, o que criará oportunidades”, avalia o instituto.

 

Fonte: