Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

09/10/2015

MS: produtor familiar do "Mais Leite" receberá apoio para investir em inseminação artificial


Desde o início do mês, os produtores familiares atendidos pelo programa de Assistência Técnica e Gerencial ‘Mais Leite’ do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/MS), em Terenos, participam do projeto de Inseminação Artificial por Tempo Fixo que tem objetivo de melhorar a genética e produtividade das vacas leiteiras. Segundo dados da Pesquisa Pecuária Municipal do IBGE, o município contabiliza 9.215 cabeças ordenhadas e ocupa a 19ª colocação no ranking estadual, com 9.689 mil litros de leite.

A aplicação da tecnologia foi possível, por meio do trabalho conjunto realizado entre a prefeitura municipal e a Cooplaf - Cooperativa Agrícola Mista da Pecuária de Corte e Leiteira e da Agricultura Familiar de Terenos. Os técnicos de campo do Senar/MS são responsáveis por selecionar os produtores que atendam os requisitos necessários para recebimento da inseminação e encaminhar para equipe responsável pelo trabalho, composta por um veterinário e um profissional de inseminação artificial.

O supervisor do programa ‘Mais Leite’ na região, Nivaldo Passos, explica que os profissionais da assistência técnica têm condições de indicar as propriedades mais preparadas para participar do projeto, também chamado de IATF. “Nossa equipe vem acompanhando o desempenho de todas as propriedades atendidas há mais de um ano e pode apontar quais alcançaram maior desenvolvimento no campo nutricional, sanitário e de manejo. É preciso ficar claro que a eficácia da inseminação dependerá de uma série de ações que precisam ser realizadas anteriormente’, argumenta.

Passos esclarece que atualmente o serviço de inseminação artificial custa R$ 107,00 para cada vaca e o trabalho de parceria possibilitará um abatimento expressivo nos custos. “A parceria possibilitará uma redução de custos estimada em 65%, ou seja, o produtor deverá arcar com R$ 36,00 por animal. A contrapartida é mínima se considerarmos que os animais nascidos a partir inseminação estarão produzindo leite em cerca de quatro anos”, acrescenta.

Parceiros experientes - Para o vice-presidente da Cooplaf, Mário Pompeu, o projeto contribuirá para o melhoramento genético do rebanho de Terenos, visto que a maior parte dos animais não tem genética específica para produção de leite. “A maior parte dos produtores atendidos pela assistência técnica do Senar/MS são oriundos da agricultura familiar, não tem condições de adquirir animais selecionados e isso impacta na produtividade. Com a tecnologia de inseminação, será possível criar vacas que produzirão no mínimo 15 litros, sendo que hoje, as matrizes possuem cinco litros diariamente”, aponta.

A secretária do departamento de Desenvolvimento Rural, da Prefeitura de Terenos, Lucilha Almeida destaca as vantagens que os produtores terão com a IATF. “Atualmente para se adquirir uma novilha de qualidade é preciso investir R$ 6 mil, valor inviável para maioria das famílias produtoras de leite na região. A média de preços dos animais é de no máximo R$ 3 mil, por isso é bem mais interessante investir na inseminação artificial”, reforça.

Lucilha menciona ainda que diferencial desta tecnologia é produzir mais com menos animais e de forma organizada. “Este trabalho é renovador e vem sendo aperfeiçoado pelo Senar/MS desde que foram realizadas as primeiras capacitações para um grupo de bovinocultores de leite, que em pouco tempo criaram uma cooperativa para trabalharem e crescerem juntos. Com o início da assistência técnica os produtores aprenderam manejar corretamente o rebanho e a expectativa é que sejamos referencia na produção de leite”, conclui.

Sobre o Mais Leite

O programa de assistência técnica e gerencial do Senar/MS, ‘Mais Leite’ está presente em 21 municípios de Mato Grosso do Sul e atende 744 propriedades rurais. Com 27 técnicos de campo oferece consultoria mensal para produtores, visando o incremento na produção da cadeia leiteira estadual.

 

Fonte: