Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

15/10/2015

Grandes importadores mantêm ritmo positivo nos embarques de frangos, informa a ABPA


Os principais importadores de carne de frango do Brasil mantiveram níveis positivos nos embarques de setembro e evitaram uma forte queda diante da greve dos fiscais federais agropecuários, aponta a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Um dos destaques, segundo a ABPA, é a China, que apresentou elevação de 33% em relação ao mês de setembro de 2014, com total de 26,8 mil toneladas exportadas.

No Oriente Médio, a Arábia Saudita (maior importador de frangos do Brasil) e os Emirados Árabes Unidos (quinto maior) também contribuíram para o resultado praticamente estável registrado no saldo do mês.  Para o mercado saudita foram exportadas 63,2 mil toneladas em setembro, volume 10% maior em relação ao mesmo mês de 2014. Para os Emirados Árabes, foram exportadas 23,7 mil toneladas, número 7% superior segundo o mesmo período comparativo.

Países com importações menores também estão se destacando dentre os mercados para a carne de frango do Brasil.  É o caso da Coreia do Sul, para onde foram 6,5 mil toneladas – dado 64% maior em relação ao nono mês do ano passado.  O crescimento dos embarques para o México foi ainda maior, de 102%, com 3 mil toneladas.

“Os volumes embarcados para os principais importadores seguiram positivos, e ajudaram a reduzir os impactos da greve dos fiscais”, destaca o presidente-executivo da ABPA, Francisco Turra.

Conforme os dados da ABPA, durante setembro houve um decréscimo de 0,5% nos volumes totais embarcados pelos exportadores de carne de frango (considerando frango inteiro, cortes, embutidos, processados e salgados) em relação ao mesmo mês em 2014, totalizando 366,4 mil toneladas. No resultado em reais, houve crescimento de 35,8% em relação ao resultado obtido em setembro de 2014, chegando a R$ 2,3 bilhões.  Na receita em dólares, entretanto, foi registrada redução de 18,9%, com US$ 592 milhões.

Entre os mercados que apresentaram retração, Hong Kong decresceu 26%, com total de 19,4 mil toneladas embarcadas no mês.  Angola também apresentou queda, de 67%, atingindo 3,6 mil toneladas.

No acumulado do ano, as exportações brasileiras de carne de frango cresceram 4,8% em relação ao mesmo período do ano passado, com total de 3,186 milhões de toneladas.   Houve forte elevação na receita em reais, com total de R$ 17,3 bilhões, número 26,6% superior ao alcançado no mesmo período de 2014.  Já no desempenho em dólares, foi registrada queda de 9,1%, com total de US$ 5,4 bilhões.

Considerando os destinos das exportações promovidas entre janeiro e setembro, os embarques para o Oriente Médio atingiram 1,153 milhão de toneladas, volume 11% superior ao obtido no mesmo período de 2014.  O ritmo também foi positivo nas exportações para Ásia, com saldo 4,3% superior em relação ao ano anterior, chegando a 918,9 mil toneladas.  Para África, foram exportadas 385,5 mil toneladas (+1,2%). Quarto maior destino dos embarques brasileiros, a União Europeia importou 296,8 mil toneladas (-4,2%). Em ritmo crescente, as exportações para os países das Américas chegaram a 266,4 mil toneladas (+1,6%).  Por fim, para a Europa Extra-União Europeia (que contempla a Rússia) foram embarcadas 105,1 mil toneladas (+17,9%) e para a Oceania, 1,7 mil toneladas (+14,7%).
“Estas diminuições pontuais não afetarão o cenário positivo projetado para o setor em 2015, que deverá crescer em níveis superiores a 3%”, detalha o vice-presidente de aves da ABPA, Ricardo Santin.

Na avaliação de desempenho por produto, os embarques de cortes totalizaram 1,864 milhão de toneladas entre janeiro e setembro de 2015, resultado 14,5% superior ao registrado no mesmo período do ano passado.  Já as exportações de frango inteiro atingiram 1,019 milhão de toneladas (-5,6%). De carnes salgadas foram exportadas 128,9 mil toneladas (-6,7%), de industrializados, 115,3 mil toneladas (-1,4%) e de embutidos, 57,6 mil toneladas (-24,1%).

 

Fonte: