Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

28/10/2015

Governo estima R$ 9,9 bilhões de investimentos na ferrovia Lucas-Sinop-Pará


A ferrovia que deve ligar Lucas do Rio Verde, passando por Sinop e chegando a Itaituba (PA), distrito de Miritituba, deve receber R$ 9,9 milhões em investimentos com a concessão para a iniciativa privada. É o que prevê o governo federal em uma extensão de pouco mais de 1.140 quilômetros, em fase de análise, no plano relacionado à expansão ferroviária. O objetivo é melhorar o escoamento da produção agrícola do Centro-Oeste, conectando-se no Pará ao Porto de Miritituba, na hidrovia do Tapajós, trazendo maior competitividade.

O governo ainda não prazo, mas aponta que a próxima etapa será a “elaboração dos estudos técnicos pelas empresas autorizadas no âmbito do Processo de Manifestação de Interesse (PMI), desenvolvimento das minutas de contrato, edital e modelagem econômico-financeira, realização de audiências públicas, reenvio ao TCU (Tribunal de Contas da  União) da documentação relativa ao processo de outorga e lançamento do edital de licitação”.

A produção estimada, para este ano pela Companhia Nacional de Abastecimento passa de 49 milhões de toneladas de grãos. Por isso, entidades do agronegócio, como a Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), têm defendido a construção de ferrovia para escoar parte da produção de soja, milho, algodão, carne e madeira do Médio Norte. A especulação é que o potencial de escoamento atingiria 30 milhões de toneladas até 2020.

Além desta ferrovia, está em andamento as discussões à respeito da Transoceânica que partiria do Peru, passando pelo Acre, Rondônia, Mato Grosso Goiás, Minas Gerais e Rio de Janeiro, criando um corredor entre os oceanos Atlântico e Pacífico. Lucas do Rio Verde receberia um terminal de embarque e também teria ligação de um trecho com Campinorte (GO). Ela pode ter até 3.650 quilômetros de extensão, sendo mais de 1 mil só nos Andes. O investimento da parte brasileira poderia chegar a R$ 40 bilhões.

 

Fonte: