Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

01/10/2013

Estratégias dos líderes

O Brasil têm mais terras, a Argentina ganha em logística, mas o tamanho do mercado global depende das políticas norte-americanas. Conheça as estratégias dos três maiores exportadores de grãos:
Estados Unidos
 
Segundo maior produtor e exportador mundial de soja, o país depende exclusivamente de terras já em uso para ampliar a colheita da commodity. Para voltar à liderar o mercado da oleaginosa, precisaria reduzir a área e produção de milho. Atualmente, o cereal é o principal grão colhido pelos norte-americanos. Para este ano, a previsão aponta 351,6 milhões de toneladas. Desse total, 127 milhões de toneladas são destinados somente à fabricação de etanol.
 
Brasil
 
A principal aposta do Brasil tem sido a transformação de pastagens em lavouras. As estimativas indicam que ainda existem mais de 50 milhões de hectares disponíveis, principalmente no Centro-Oeste e no Centro-Norte. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) projeta que a colheita da oleaginosa pode ultrapassar as 120 milhões de toneladas até 2022/23, ciclo cujas exportações estão previstas em 56,3 milhões de toneladas. Infraestrutura para logística da safra, porém, é limitante.
 
Argentina
 
Segundo maior produtor e exportador de soja e milho da América do Sul, país é considerado o maior concorrente brasileiro no comércio internacional dos dois grãos. Com uma logística mais eficiente que a do Brasil, argentinos ganham pela distância média de menos de 500 quilômetros entre portos e lavouras. Além disso, têm estrutura capaz de processar uma parcela maior da colheita. Retenções cobradas pelo governo pesam contra as exportações de grãos argentinos.
 
 
Fonte: