Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

16/12/2015

PR: soja não perde a majestade


A soja deve continuar sendo a vedete do agronegócio na safra 2015/16, com alta produtividade e preços em bons patamares, de acordo com a última projeção da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), divulgada na segunda-feira. A entidade elevou a previsão de produção da oleaginosa para 99,4 milhões de toneladas, contra 96,2 milhões de toneladas do período 2014/15, alta de 3,3%. Pelo Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), publicado na última sexta-feira, existe uma expectativa que a safra já plantada seja ainda maior: 101,5 milhões de toneladas, 4,7% maior que o produzido em 2015. 

Apesar das chuvas frequentes durante todo o mês de novembro e início de dezembro – que atingiram este primeiro estágio das lavouras paranaenses –, a expectativa até o momento é de produção recorde no Estado. Segundo números divulgados pelo Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura do Estado do Paraná (Seab), a produção pode atingir a marca de 18 milhões de toneladas, alta de 7% frente aos 16,9 milhões de toneladas da safra 2014/15. A área plantada também sofreu leve incremento, de 5,1 para 5,2 milhões de hectares. O Estado responde atualmente por 18% da produção nacional de soja. 

O técnico do Deral especializado na cultura, Marcelo Garrido, explica que ainda é uma incógnita se o excesso de chuvas pode frear o recorde paranaense. "O que temos percebido é que na maioria das regiões o clima melhorou e está mais estável. É claro que existe uma possibilidade de redução do potencial produtivo, mas ainda é muito cedo para esse tipo de avaliação". 

Ferrugem

Além da chuva torrencial, que pode trazer situações mais frequentes de doenças como a ferrugem asiática, outro fator que preocupa os sojicultores é a falta de luminosidade devido ao tempo fechado, o que atrapalha o desenvolvimento das plantas. "Enquanto a região Sul sofre com o excesso de umidade, no Mato Grosso, por exemplo, o problema é a falta de chuvas. Eu acredito que a seca ainda seja um evento mais preocupante, mas sem dúvida esse clima chuvoso atrapalhou os produtores", complementa Garrido. 

Deste volume produzido, as cooperativas paranaenses devem receber 75% da produção, algo em torno de 13,5 milhões de toneladas. O gerente técnico econômico da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), Flávio Turra, explica que por enquanto a expectativa ainda é boa: espera-se uma produtividade próxima a 3.450 quilos por hectare, alta de 4% frente aos 3.341 quilos por hectare da safra passada. "Na prática, tivemos sim algumas preocupações com a chuva, mas acredito que não teremos perdas significativas. O controle de pragas e doenças aconteceu, na maioria das regiões, sem grandes problemas", avalia. 

Farelo e Óleo

A nova projeção da Abiove para a produção de farelo no País deve atingir o patamar de 30,9 milhões de toneladas. Já para o óleo, a expectativa para a safra 2015/16 é de 8,05 milhões de toneladas. 

Fonte: