Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

04/01/2016

Investimento público e agronegócio puxam economia do Paraná em 2016

O ano de 2016 promete ser de desafios para a economia brasileira, mas o Paraná registra um cenário mais favorável do que a média brasileira. A retomada do investimento público, possível graças ao ajuste fiscal implantado pelo Governo do Estado, e a expansão do agronegócio, embalada pelo câmbio mais favorável, devem ajudar a puxar os resultados da economia paranaense no próximo ano, de acordo com análise do diretor presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), Julio Suzuki Júnior.
 
“O ano de 2016 começará ainda trazendo os efeitos da recessão brasileira de 2015, mas o Estado tem condições de sair da crise mais rapidamente, assim que o Brasil der os primeiros sinais de retomada”, afirma Suzuki Junior.
 
Vários indicadores mostram que, mesmo em tempos difíceis para economia brasileira, o Estado vem avançando. Segundo o IBGE, o Paraná se tornou a quarta maior economia do País; foi eleito o segundo mais competitivo do Brasil, de acordo com o grupo The Economist; e detém o terceiro maior salário médio do País, atrás de São Paulo e Distrito Federal. Um outro levantamento, da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), mostra, ainda, que 96% das cidades paranaenses têm nível de desenvolvimento alto ou moderado.
 
Retomada
 
No curto prazo, o ajuste fiscal, que começou a ser implantado em 2014, consolidado em 2015 e que organizou as contas do Estado, deve surtir efeitos mais positivos. “O Governo do Paraná fez o que o governo federal não fez. Com as contas equilibradas, será possível retomar investimentos, que é um vetor importante para combater a crise”, diz Suzuki. Com o ajuste, o Estado prevê R$ 6,8 bilhões em investimentos para 2016.
 
Campo
 
O agronegócio, que já vem com bons resultados e uma safra recorde em 2015, deve se beneficiar do dólar valorizado nas exportações. Puxado pelas cooperativas, o setor vem investindo pesado em expansão e diversificação de produção e armazenagem. As cooperativas paranaenses respondem, atualmente, por mais de 30% das exportações do setor no País. “O Paraná tem hoje o agronegócio mais pujante do Brasil. Isso é um fator que diferencia o Estado de outras unidades”, afirma.
 
A retomada da indústria de transformação, por sua vez, deve ser mais lenta e ficar para 2017. Mas há alguns bons prognósticos. As exportações devem melhorar com o câmbio favorável. Além disso, o novo governo da Argentina deve melhorar as relações comerciais com o Brasil. A Argentina é um dos principais destinos das exportações paranaenses, especialmente do setor automotivo. “A Argentina promoveu uma política comercial que impôs várias barreiras aos produtos brasileiros. A expectativa é que o novo governo retire essas restrições, o que beneficiará as exportações do Paraná”, diz Suzuki Junior.
 
 
Fonte: