Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

26/01/2016

PMGZ muda e beneficia pecuária nacional


Reformulações promovidas no Programa de Melhoramento Genético das Raças Zebuínas (PMGZ) provocaram mudanças radicais na filosofia de atendimento da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), a maior entidade pecuária do mundo, sediada em Uberaba (MG). As avaliações genéticas agora rodam internamente, por meio de plataformas tecnológicas avançadas que garantem a total segurança das informações. As mudanças também permitiram maior envolvimento dos técnicos de registro e de comunicações na avaliação das tendências genéticas dos plantéis das propriedades dos associados, subsidiando-os a aconselhar acasalamentos dirigidos.

Segundo o diretor de TI – Tecnologia da Informação da ABCZ, Frederico Cunha Mendes, a novidade ajudou a estreitar a distância entre a entidade e os mais de 22 mil associados espalhados pelo País, que, futuramente, ainda desfrutarão de novos serviços, sem custos adicionais. Isso possível graças a criação, dentro da ABCZ, de um Departamento de Pesquisas e Desenvolvimento e a contratação de técnicos e consultorias qualificadas na gestão da informação. “Sentíamos uma perda de dados muito grande ao longo do processo e, ao importar um ótimo software americano, tivemos a liberdade de conciliá-lo à necessidade de seleção e também à da própria pecuária comercial”, avalia o diretor, que também é especialista em reprodução animal. O PMGZ já soma mais 12 milhões de animais avaliados e 1,1 milhão de matrizes cadastradas no banco de dados, o maior do gênero.

Essas e outras contribuições ao longo das últimas duas décadas fizeram de Fred Mendes, como é mais conhecido no meio rural, o candidato da situação à presidência nas próximas eleições da ABCZ, na primeira quinzena agosto. Em seu plano de trabalho, ele pretende potencializar o atendimento do PMGZ, capacitando os 105 técnicos espalhados por todo o território nacional para que ofereçam consultoria total aos associados, indo muito além do melhoramento genético. Estarão aptos a analisar qualidade das pastagens, sanidade, nutrição, padrão de carcaça e outros aspectos relacionados à eficiência produtiva, reprodutiva e econômica, através de um verdadeiro “upgrade” no Produz, o programa de gerenciamento da entidade representativa dos zebuínos.

Avanços que fazem da ABCZ mais do que uma entidade cartorária delegada do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). “Atualmente, a busca é por soluções em avaliação genética, mas a intenção é expandir o alcance para outras áreas que favoreçam ter uma visão macro das fazendas, identificando os pontos falhos de uma propriedade e aplicando as respectivas soluções”, explica o candidato da Chapa ABCZ Unida, apoiada por 15 dos 17 diretores da entidade.

O progresso atingido e o projeto traçado tornaram-se palpáveis frutos do canal estabelecido entre a ABCZ e seus associados, facilitando a coleta de demandas dos criadores. Em 2015, a associação que representa as oito raças zebuínas predominantes em 85% do rebanho nacional de bovinos também coordenou uma série de encontros, democratizando conhecimento ao maior número possível de pecuaristas. O Circuito 100% PMGZ passou por Recife, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Brasília, São Paulo, Bahia, Minas Gerais (duas etapas), Espirito Santo, Tocantins, Goiás, Paraná e Pará, e reuniu centenas de participantes. Outra proposta é levar o pecuarista até a “varanda” das fazendas-modelo, promovendo a troca de experiências de um jeito mais descontraído para motivá-los a investir no melhoramento genético.

Genômica pode ser incorporada ao PMGZ – Este é outro plano de Fred Mendes para o maior programa de melhoramento genético das raças zebuínas do mundo. A inserção da tecnologia de DNA geraria grande impacto, inclusive econômico, especialmente quanto à possibilidade do uso de touros jovens no teste de progênie, elevando-se a acurácias das DEPs de 34% para mais de 70%.  E ainda encurtaria, em muito, o intervalo entre as gerações. “Estamos desenvolvendo isso com muita cautela. Havíamos conseguido um patrocínio do Ministério da Ciência e Tecnologia que foi interrompido com a troca de comando no órgão. Temos de levar este projeto adiante com ou sem verba ministerial”, conclui o candidato à presidência da ABCZ.​

 

Fonte: