Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

07/03/2016

Agronegócio brasileiro se consolida como área livre de recessão


Nenhum setor da economia brasileira vai tão bem quanto o agronegócio. Ilha de prosperidade em um país em recessão, o campo bate recordes anuais de produção, sustenta o comércio exterior, gera empregos e dribla as crises nacionais, apresentando taxas sustentáveis de crescimento há três anos. Na última quinta-feira (3), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmou a força do segmento, enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil encolheu 3,8% em 2015, o da agropecuária saltou 1,8%.

Da geração de renda a criação de empregos, há uma série de fatores que dão vantagem ao campo. A boa remuneração do mercado externo e a demanda crescente por alimentos proveniente de países como a China abriram margem para um salto de 107% na produção de grãos em quinze anos, rompendo a barreira dos 200 milhões de toneladas. No mesmo período as exportações do campo dispararam 406%, chegando a US$ 75 bilhões.

Confira os números do agronegócio no Brasil

O quadro garante uma injeção na veia da balança comercial nacional, bem como desdobramentos em fatores como a geração de emprego e o próprio PIB. “O agronegócio tem um papel multiplicador na economia, influenciando toda a cadeia produtiva, desde o produtor até o consumidor final. Ela gerou novos empregos e minimizou os impactos negativos de uma economia em recessão”, pontua o analista técnico e econômico da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), Robson Mafioletti. Em 2015, a agropecuária foi o único setor que registrou saldo positivo de empregos, de acordo com dados do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Mais do que demanda, o campo foi favorecido por avanços tecnológicos que ampliaram a produtividade. Como complemento, o setor viveu um reforço na injeção de subsídios para custeio da safra, comercialização e investimentos. Entre as safras 2000/01 e 2015/16 o montante de recursos que compõem o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) subiu de R$ 8 bilhões para R$ 187,8 bilhões. O aporte abriu margem para a construção de novas agroindústrias e para reforço na infraestrutura. “O crédito rural realmente foi importante para impulsionar o campo. No entanto, hoje, se compararmos com outros setores, somos o que menos utiliza. O agronegócio recebe pouca ajuda do governo, por isso temos mais produtividade e competitividade”, diz o superintendente técnico da Confederação Nacional de Agricultura, Bruno Lucchi.

Mesmo crescendo num ano de pessimismo, o agro não ficou imune ao enfraquecimento da economia. Tirando o desempenho negativo da agropecuária em 2012 (-3,1%), por seca; e 2009 (-3,7%), por crise econômica; 2015 só foi melhor que 1997 (+0,8%) e 2005 (+1,1%), em uma série histórica iniciada em 1996. “Isso leva a conclusão de que o agronegócio, apesar de apresentar desempenho positivo em 2015, não passou ileso das consequências da crise”, disse a economista Tânia Moreira Alberti, da Federação de Agricultura e Pecuária do Paraná (Faep), em relatório.

Força econômica

Mesmo com o enfraquecimento da economia nacional, o agronegócio segue aliviando o tombo brasileiro.


Fonte: