Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

28/03/2016

Agropecuária segue como maior empregadora em MT

Para o Ministério do Trabalho e Previdência Social, Mato Grosso foi o terceiro maior gerador de empregos no mês de fevereiro ao gerar 3.683 novas vagas com carteiras assinadas, atrás apenas do Rio Grande do Sul com 6.070 e de Santa Catarina, com outras 4.793 novas frentes de trabalho no período. No entanto, na série histórica local, os dados contabilizados até fevereiro mostram uma outra realidade, a de perda no nível de empregabilidade. Somente na comparação anual, a queda na oferta foi de 29%.

Na série histórica para o mês de fevereiro, o ano de 2016 registrou o pior desempenho desde 2003 e passou longe do recorde observado em fevereiro de 2011, quando a geração de novos postos somou 10.558 vagas em Mato Grosso. Em fevereiro do ano passado, as novas vagas chegaram 5.159, o que significa queda de 29% na comparação anual.

Na comparação bimestral, janeiro e fevereiro juntos somam 11.052 novas vagas, resultado a frente apenas do contabilizado no primeiro bimestre de 2009, cuja geração foi de 8.702 vagas, o que torna o resultado consolidado até o momento como o pior dos últimos sete anos no Estado para o período. E o destaque na empregabilidade é a atividade agropecuária, tanto na avaliação individual de fevereiro como para o resultado do bimestre.

Conforme dados divulgados nessa semana pelo Ministério, por meio do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o campo foi o segmento que mais gerou oportunidades de emprego nos primeiros meses deste ano. Somente em fevereiro, do saldo positivo de 3.685, 2.842 postos foram ofertados pela atividade e o restante completado pelo setor de serviços (+847 postos).

A importância da agropecuária pode ser vista na relação dos municípios que mais empregaram em fevereiro, conforme os dados do Caged. Os cinco maiores geradores de novas vagas foram justamente àqueles com a economia totalmente voltada ao agronegócio: Sorriso, Primavera do Leste, Tangará da Serra, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde. Todos eles se encontram no auge da atividade agrícola com colheita de soja e plantio de milho e algodão.

Centro-oeste

Apesar das perdas observadas, Mato Grosso foi ainda o maior empregador do Centro-Oeste, já que no Distrito Federal o saldo foi de demissões maiores que as contratações, em Goiás a geração de novas vagas somou 2.327 e no Mato Grosso do Sul, 1.124 vagas.

A geração de vagas é o saldo entre o contingente de trabalhadores admitidos contra os demitidos no período analisado. Em Mato Grosso, por exemplo, no mês de fevereiro foram contratados com carteira assinada 33.106 trabalhadores e dispensados 29.423. A diferença de 3.683 é o saldo de vagas criadas em fevereiro. No bimestre a movimentação foi de 68.716 contratações para 57.664 demissões, o que gerou um saldo positivo de geração de novos postos de trabalho de 11.052.

No país, o Caged aponta queda de 104.582 empregos com carteira assinada em fevereiro. O saldo é resultado de 1.276.620 admissões e 1.381.202 desligamentos. Os dados equivalem a uma variação negativa de 0,26% no estoque de empregos, comparada com o mês anterior. Com essa variação, o estoque em fevereiro segue estável com 39.488.138 postos de trabalho.

Os destaques na geração de emprego em fevereiro foram as regiões Sul e Centro-Oeste, com saldo positivo de 8.813 (+0,12) e 4.659 (+0,15), respectivamente. No Sul, o desempenho favorável ocorreu no Ensino e Indústria da Borracha e Fumo. O comportamento na região Centro-Oeste foi puxado pelo aumento do emprego na Agropecuária. As regiões com desempenho negativo foram o Nordeste (-58.349 postos ou -0,89%), Sudeste (-51.871 postos ou -0,25%) e o Norte (-7.834 postos ou -0,43%).​

Fonte: