Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

08/04/2016

Saca de milho beira os R$ 50

A média de março, de R$ 47,78/sc, é a maior desde fevereiro de 2008.

A colheita do milho verão segue bem, mas a disponibilidade imediata ainda é considerada pequena e isso tem levado compradores a acirrar a disputa pelo cereal. Segundo pesquisas do Cepea, desde o início da segunda quinzena de março, o ESALQ/BM&FBovespa (base Campinas-SP) vem beirando os R$ 50/saca de 60 kg – nessa terça-feira, 5, fechou a R$ 49,34/saca de 60 kg.

Em março, a alta acumulada foi de quase 14% e, no ano, de expressivos 34%, ou de R$ 12,51/saca. A média de março, de R$ 47,78/sc, é a maior desde fevereiro de 2008, em termos reais. De acordo com pesquisadores do Cepea, a situação de baixa oferta interna decorre do bom ritmo das exportações nos últimos meses.

Dados da Secex mostram que, em março, saíram de portos brasileiros 2,02 milhões de toneladas que, somadas às 5,37 milhões de toneladas exportadas em fevereiro, totalizam 7,39 milhões de toneladas. Como o estoque final da temporada (no encerramento de jan/16) era de 10,54 milhões de toneladas, conforme estimativa da Conab, restariam apenas 3,14 milhões de toneladas, equivalentes ao consumo interno (linear) de pouco mais de uma quinzena – a Conab estima consumo interno de 58,39 milhões de toneladas nesta safra 2015/16.

A disponibilidade imediata de milho, no entanto, tem sido reforçada pela colheita da safra verão. Com a pouca oferta no mercado interno, têm se observado aumento do interesse de compradores por negociações antecipadas, algo não usual para este período do ano. A preocupação em garantir o volume de milho necessário para os próximos meses tem levado esses agentes a apresentar comportamento bastante agressivo no mercado, competindo diretamente com traders, segundo levantamentos do Cepea.

Com dificuldade de encontrar o cereal no mercado interno, principalmente grandes lotes, agentes ligados à produção de proteína animal já têm feito algumas importações de países vizinhos como Paraguai e Argentina.​​

Fonte: