Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

13/04/2016

Custos preocupam, mas setor mantém projeções positivas para 2016

Em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (11), em Porto Alegre (RS), o presidente-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, destacou que a avicultura e a suinocultura do Brasil mantêm projeções positivas para 2016.

Na coletiva para jornalistas, Turra detalhou os números das exportações de carne suína, de carne de frango e de ovos, e traçou projeções positivas para o setor produtivo. “Em meio ao cenário atual, podemos dizer que a avicultura e a suinocultura são, comprovadamente, o ‘Brasil que dá certo’. As exportações estão em crescimento e apontam para resultados positivos ao longo deste ano”, afirmou.

Durante o encontro, Turra destacou o momento complexo vivido pelo setor frente ao cenário econômico. Neste contexto, a avicultura e a suinocultura vem enfrentando uma forte elevação nos custos de produção - em torno de 23% nos últimos meses - devido, especialmente, à alta do preço do milho. Ao mesmo tempo, Turra ressaltou o importante trabalho desenvolvido pela ministra da Agricultura, Kátia Abreu, para a redução dos custos de produção e para a abertura de novos mercados.

“A Ministra Kátia Abreu tem dado grande apoio ao nosso setor, buscando caminhos para racionalizar o preço do milho, com a realização de leilões e medidas que busquem tornar menos custoso a importação de milho de países vizinhos, como Argentina e Paraguai. Ao mesmo tempo, a Ministra tem trabalhado pela abertura de mercados que serão primordiais para a expansão dos negócios dos dois setores, como é o caso da Coreia do Sul para suínos. A ampliação dos negócios para a China são resultado deste esforço promovido pela Ministra, com a China se consolidando como segundo maior mercado de aves e terceiro de suínos”, ressalta.

Além de Turra, participaram da coletiva o vice-presidente de aves da ABPA, Ricardo Santin, o vice-presidente do setor de suínos, Rui Eduardo Saldanha Vargas, além do Secretário de Agricultura gaúcho, Ernani Polo, do presidente da Associação Gaúcha de Avicultura (ASGAV), Nestor Freiberger, do presidente do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do Estado do Rio Grande do Sul (SIPS), José Roberto Goulart, e do diretor-executivo do SIPS, Rogério Kerber.

CARNE SUÍNA - As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) estão em ritmo acelerado em 2016, de acordo com a ABPA. Em março saíram pelos portos brasileiros 65,6 mil toneladas de carne suína. O saldo é 78% maior em relação ao mesmo período do ano passado. Com isto, as exportações no primeiro trimestre de 2016 chegaram a 164,9 mil toneladas – volume 77,8% superior ao alcançado nos três primeiros meses de 2015.

Graças ao bom desempenho dos embarques, a receita cambial segue positiva neste ano. Em março, com US$ 109,1 milhões, o saldo foi 27,7% superior ao alcançado no terceiro mês de 2015. No acumulado do ano, a alta é de 21,9%, com US$ 275,1 milhões registradas entre janeiro e março. Em reais, a alta é de 50,6% no saldo de março – com R$ 404,3 milhões – e de 64,6% no trimestre – com R$ 1,069 bilhão.
Carro-chefe das exportações, a Rússia foi destino de 38,5% do total exportado pelo Brasil em março, com 24,6 mil toneladas embarcadas (77% a mais que em março de 2015). No mesmo período, para Hong Kong (segundo maior importador, com 25,7% do total) foram exportadas 15,7 mil toneladas, volume 58% maior que o obtido no terceiro mês do ano passado.

Com crescimento exponencial após a habilitação de novas plantas em 2015, as exportações para a China (que agora é o terceiro maior destino da carne suína exportada pelo Brasil) apresentaram elevação de mais de 30.000% em março, chegando a 6,4 mil toneladas.

Santa Catarina foi o grande exportador de carne suína do Brasil, com 58 mil toneladas (35% do total efetivado pelo Brasil embarcadas ao longo do primeiro trimestre – volume 74% superior ao registrado no mesmo período de 2015. Em seguida veio o Rio Grande do Sul, com 50,4 mil toneladas (30,9% do total), número 58% maior que o obtido no primeiro trimestre do ano passado. No terceiro posto está o Paraná, com 20,6 mil toneladas exportadas (12,6% do total), incremento de 94% segundo o mesmo período comparativo.

FRANGO - Com o segundo melhor resultado mensal de sua história, os exportadores de carne de frango (considerando todos os produtos, entre in natura, salgados, embutidos e processados), embarcaram 403 mil toneladas em março, volume 15,5% superior ao obtido no terceiro mês do ano anterior. Com isto, no primeiro trimestre deste ano foram embarcadas 1,04 milhão de toneladas, 12% a mais que o obtido nos três primeiros meses de 2015.
Também em alta, o saldo cambial de março superou em 0,5% a receita registrada o terceiro mês de 2015, totalizando US$ 582,2 milhões. Já no trimestre, há uma retração acumulada de 6,4%, com saldo de US$ 1,489 bilhão neste ano. Em reais, entretanto, foram registradas altas de 18,6% (com R$ 2,1 bilhões em março deste ano) e de 26,6% no trimestre (com R$ 5,8 bilhões em 2016).

A Arábia Saudita segue como maior importadora de carne de frango do Brasil, com 15,4% do total embarcado em março. Para lá, foram exportadas 61,2 mil toneladas no mês, 1% a mais que no mesmo período do ano passado.
O grande destaque deste mês foi a China, que assumiu o segundo lugar dentre os mercados importadores, com 11,4% do total – o equivalente a 45,4 mil toneladas, volume 83% superior ao alcançado em março de 2015.

“Se somarmos os embarques para Hong Kong, a China se torna a maior importadora de carne de frango produzida no Brasil, com 69,1 mil toneladas embarcadas apenas em março. Este contexto indica equilíbrio entre a oferta interna e as exportações de carne de frango do Brasil”, ressalta Ricardo Santin, vice-presidente de aves da ABPA.

Outros mercados como União Europeia (35,3 mil toneladas, +14%), Emirados Árabes Unidos (31,2 mil toneladas, +34%) e África do Sul (24 mil toneladas, +20%) também apresentaram bom desempenho em março, na comparação com o ano anterior.

Dentre os estados com maior desempenho em exportação, o Paraná foi o líder no primeiro trimestre, com 366 mil toneladas exportadas (35,7% do total), volume 11,7% superior ao obtido no mesmo período de 2015. Em seguida veio Santa Catarina, com 234 mil toneladas (22,8% do total), número 8,1% maior, segundo o mesmo período comparativo. No terceiro posto está o Rio Grande do Sul, com 169 mil toneladas (16,6% do total), desempenho 9,4% superior ao registrado no primeiro trimestre do ano passado.

OVO - Outro segmento que vem apresentando bom rendimento este ano é o de ovos (in natura e processados). Em março, foram embarcadas 1,449 mil toneladas, 46,7% a mais em relação ao mesmo período de 2015. No acumulado do ano, o crescimento é de 4,3%, com 5,512 toneladas embarcadas no primeiro trimestre de 2016.

A receita cambial do setor também está positiva neste primeiro trimestre. O saldo, de US$ 6,9 milhões, é 3,5% superior ao obtido entre janeiro e março de 2015. Considerando apenas o mês de março, a alta é de 69,8%, com US$ 2 milhões.

Em reais, o resultado do trimestre supera em 46% o saldo obtido nos três primeiros meses de 2015, com total de R$ 27,1 milhões. Em março, o crescimento obtido é 100% superior ao mesmo mês do ano passado, com R$ 7,5 milhões.

Minas Gerais foi o maior exportador de ovos do primeiro trimestre, com 2,1 mil toneladas embarcadas (39,4% do total), volume 39% inferior ao obtido em 2015. Com pouco mais de 2 mil toneladas (36,9% do total) está o Rio Grande do Sul, apresentando desempenho 37% superior ao registrado no ano anterior. Em terceiro lugar está São Paulo, com 1,2 mil toneladas (22,3% do total), volume que supera em mais de 3.000% o desempenho do Estado no 1° trimestre de 2015.​​

Fonte: