Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

14/10/2013

Armazenamento: cooperativas e governo na busca da autossuficiência

​Santa Catarina produz 6,5 milhões de toneladas de grãos por ano, incluídas as safras de milho, soja, arroz, trigo e feijão. A capacidade estática total de armazenagem é de 4,2 milhões de toneladas, o que significa que 30% da produção não tem estocagem. Cooperativas agropecuárias e governo estadual irão, a partir deste mês, desenvolver um intensivo programa para reduzir em 50% esse déficit de 2,3 milhões de toneladas no prazo de um ano.
 
Essa meta foi estabelecida em Chapecó, durante encontro da Organização das Cooperativas de SC (Ocesc) com a Secretaria de Estado da Agricultura e Pesca, oportunizado pela Exposição-feira Agropecuária, Industrial e Comercial (EFAPI 2013) que ocorreu até ontem (13).
 
As cooperativas tomarão financiamento ancorado em linha especial de crédito do governo federal, criada especialmente para construção de armazéns, com as seguintes facilidades: 15 anos de prazo, três anos de carência, 3,5% de juros ao ano e sem limite de financiamento.
 
O governo do Estado, através do recém-criado programa “Armazenar”, suportará 50% dos juros anuais até o limite de projetos que atinjam a um milhão de toneladas, o que equivalerá a 500 milhões de reais em investimentos em cerca de uma centena de projetos. Os juros equivalerão a 166 milhões de reais e, desse volume, o governo catarinense pagará 83 milhões de reais.
 
Os recursos federais serão liberados pelo BNDES e operados pelo Banco do Brasil e BRDE. Os armazéns poderão ser construídos em concreto armado ou aço e estarão equipados com balança, pré-limpeza, secadores, climatizadores e sistema de carga e descarga.
 
O presidente da Ocesc, Marcos Antônio Zordan, destacou que o programa “Armazenar” atendeu a reivindicação do setor cooperativista para reduzir o déficit de armazenagem do Estado. Observou que a Organização das Nações Unidas para Alimentação (FAO) indica como ideal uma cobertura de 120%, ou seja, deveria existir capacidade de armazenagem 20% superior a produção total.
 
Estímulo
 
Zordan também elogiou o programa “Milho10T” destinado a aumentar a produtividade média para 10 toneladas de milho por hectare cultivado, apresentado pelo secretário adjunto da Agricultura, Airton Spies. Esse programa assegurará a autossuficiência de milho. Santa Catarina importa, anualmente, 2,3 milhões de toneladas de milho do Brasil central, suportando elevados custos de transporte.
 
O estado cultiva 600.000 hectares com milho, mas, desses, 100 mil destinam-se a silagem, portanto, não saem da propriedade e são utilizados na nutrição animal. Os 500.000 hectares restantes podem – se o programa Milho 10T for exitoso – gerar cinco milhões de toneladas, portanto, solucionando a insuficiência de milho para consumo catarinense.
 
Outra iniciativa para a eliminação do déficit de milho via aumento da produtividade é a utilização de sementes de alta tecnologia, Metade das 220.000 sacas de sementes que a Secretaria da Agricultura disponibilizou pelo programa Troca-Troca é de alta produtividade. Para o cultivo dessa semente foi distribuído calcário calcítico.
 
 
Fonte: